quarta-feira, 24 de novembro de 2010

3ª edição da Feira Música Brasil será realizada em Belo Horizonte, de 8 a 12 de dezembro

O ministro da Cultura, Juca Ferreira, esteve em Belo Horizonte para divulgar novidades sobre a próxima edição da Feira Música Brasil, uma iniciativa do Ministério da Cultura, realizada pelo Centro de Música da Fundação Nacional de Artes (Funarte/MinC), em parceria com o Conselho Rede Música Brasil, formado por 15 entidades nacionais que representam os diferentes elos da cadeia criativa e produtiva da música, que conta com os apoios da Prefeitura de Belo Horizonte e do Governo do Estado de Minas Gerais.
A partir de 2010, a Feira Música Brasil passa a ser itinerante. Entre 8 e 12 de dezembro, a capital mineira será sede do evento que levará à cidade uma série de espetáculos, palestras, painéis, estandes, mostras audiovisuais e de tecnologia, capacitações e rodadas de negócios, promovendo um grande encontro entre artistas, entidades e profissionais dos mercados nacional e internacional de música. “A Feira é um evento muito bem sucedido e estamos muito felizes com a vinda dela para Belo Horizonte, justamente por causa da importância da música mineira”, destacou o ministro Juca Ferreira.
Por onde passa, a Feira oferta a promoção de profissionais da região, incorporando em seu staff os diversos serviços para a realização deste grande evento. Com o objetivo de abranger todos os ritmos e estilos nacionais, bem como todos os ramos do mercado musical – independente do tamanho destes -, a Feira Música Brasil abre discussões e aponta os caminhos desse mercado para o ano seguinte.
O ministro Juca Ferreira também ressaltou a importância da música para o desenvolvimento da Economia da Cultura. Segundo ele, apesar de ser um produto muito bem acabado no Brasil, o setor musical ainda pode se aprimorar mais, especialmente na exploração de novas formas de negócio.
O diretor-executivo da Feira, Carlos “KK” Mamoni Júnior, presente na entrevista coletiva à imprensa, completou: “Estima-se que a Economia da Cultura movimente cerca de 6% do PIB e sabemos que boa parte provém da música. Com estrutura e organização, o segmento pode dar conta dos novos modelos de negócios que surgiram com a era digital”.
O evento é, ainda, um espaço de encontro dos profissionais da música para a discussão dos temas específicos do setor. O ministro da Cultura aproveitou o momento e falou sobre a consulta pública para a modernização da Lei de Direito Autoral, fundamental para a classe musical. “A reforma desta lei tem por objetivo estimular novos investimentos e dar mais garantias aos autores, cidadãos e investidores. Por isso, ela deve ser acompanhada de perto por quem trabalha com música”, disse Juca Ferreira.
O Conselho Rede Música Brasil é formado atualmente pelas seguintes entidades: Associação Brasileira da Música Independente (ABMI), Associação Brasileira de Produtores de Discos (ABPD), Associação Brasileira de Editoras Reunidas (ABER), Associação Brasileira de Editoras de Música (ABEM), Associação Brasileira de Festivais Independentes (ABRAFIN), Associação Brasileira de Empresários de Artistas (ABEART), Associação das Rádios Públicas (ARPUB), Fórum Nacional da Música (FNM), Fora do Eixo, Central Única das Favelas (CUFA), Casas Associadas, Brasil Música & Artes (BM&A), Federação das Cooperativas de Música, Academia Brasileira de Música (ABM) e Música Para Baixar. Diante da inexistência de entidades nacionais que representem a música de concerto, o Conselho convida profissionais que atuam no setor.
Feira Música Brasil
A Feira Música Brasil, idealizada em 2006, aconteceu pela primeira vez em fevereiro de 2007, em Recife. Foi o primeiro evento realizado pelo Programa de Desenvolvimento da Economia da Cultura (Prodec) do Ministério da Cultura, com o objetivo de impulsionar a economia da cultura no País, aprovado dentro do Plano Plurianual do Governo Federal, em junho de 2006.
A edição de 2009, também realizada em Recife, recebeu um público de 400 mil pessoas durante cinco dias, em 35 espetáculos, 100 mil pessoas nas 79 apresentações no Circuito Off Feira, dez mil visitantes na área de experimentação da Feira e mais de 320 empresas, que geraram mais de 11.520 negociações – números aferidos pelo IBOPE. Estima-se que o volume gerado de negócios foi em torno de R$ 50 milhões. Ainda foram apresentados para três mil espectadores 45 painéis com convidados do mercado da música mundial, e mais de dois milhões de pessoas ouviram as transmissões da FMB pelas rádios públicas.
A FMB concretizou-se como referência do calendário musical nacional, agregando toda a cadeia produtiva do setor e a diversidade criativa da música brasileira.
FMB 2010
Apresentações – Durante cinco dias dois palcos vão receber 40 espetáculos, dos quais dez serão convidados âncoras. Os outros 30 artistas serão selecionados por uma comissão – que será definida pelo Conselho Consultivo do evento -, por meio de um processo de seleção pública aberto a todo o país. O acesso às apresentações será gratuito, atendendo tanto o público da Feira Música Brasil como a população local.
Painéis e Palestras – Com temas voltados para profissionais do mercado da música, serão apresentados nove painéis, envolvendo cinco painelistas cada, e duas palestras. Os painelistas e palestrantes serão apontados pelo Conselho Consultivo da Feira, com a preocupação de trazer especialistas que realmente qualifiquem os painéis e palestras.
Capacitação – A capacitação dos profissionais inscritos trará temas estratégicos para o desenvolvimento do setor, que vem sofrendo grandes mudanças em face da tecnologia digital. Os nomes dos ministrantes e os temas serão definidos pelo Conselho Consultivo.
Estandes – As empresas e profissionais interessados em divulgar seus produtos e serviços aos profissionais do setor terão uma área específica. As solicitações poderão ser feitas por meio da página eletrônica www.feiramusicabrasil.com.br.
Área de Serviços Especializados – Para os profissionais do mercado da música na área jurídica, a Feira Música Brasil 2010 prestará suportes para licenciamentos, uso de mecanismos de crédito, entre outros assuntos específicos.
Rodadas de Negócios – Três rodadas de negócios, sendo uma por dia (exceto os dias de abertura e encerramento), poderão ter temas como: venda de shows, licenciamentos (incluindo audiovisual de música), música digital e música de concerto (incluindo partituras), entre outros. São voltados para os profissionais do setor, como empresas, cooperativas, Pontos de Cultura, músicos, agentes de artistas, dentre outros inscritos no site do evento.
Mostra de Tecnologia – Para profissionais inscritos pelo site, a mostra apresentará o que há de mais recente no mundo digital, em pilares como criação, produção, gravação, divulgação/marketing, e-commerce (venda), entre outros assuntos de interesse com a modernização e agilidade do setor.
Feira de Produtos Musicais – Para divulgar a diversidade musical brasileira e facilitar o acesso ao grande público, a Feira Música Brasil 2010 disponibilizará os catálogos completos de produtos à venda a preços promocionais, como CDs, DVDs, equipamentos, instrumentos, livros e partituras, por exemplo. O evento também disponibilizará um espaço para promoção de produtos independentes e divulgação da produção audiovisual sobre música. O acesso será gratuito, atendendo tanto o público da feira como a população da cidade.
Mostra de Filmes sobre a Música do Brasil – Serão exibidos dois filmes por dia, em três dias de evento, com o objetivo de divulgar esse segmento importante do audiovisual brasileiro. Este é um instrumento qualificado de promoção da música, com grande potencial para exportação, mas pouco espaço nas salas de cinema e na televisão.



http://www.cultura.ba.gov.br/noticias/plugcultura/3a-edicao-da-feira-musica-brasil-sera-realizada-em-belo-horizonte-de-8-a-12-de-dezembro
Postar um comentário