quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Calíope lança CD com obra coral a capella de Villa-Lobos, na Casa França-Brasil, dia 27


Selecionado pelo maestro Júlio Moretzsohn, o programa enfoca o repertório coral profano da obra do compositor brasileiro, marcado pela incorporação de elementos das culturas indígenas e afro-brasileiras

Neste ano em que se comemora o 125° aniversário de Heitor Villa-Lobos, quando homenagens difundem ainda mais sua obra, um lançamento se destaca e joga luz ao vasto e rico repertório para coro a capella do compositor brasileiro. No dia 27 de outubro, às 17h, com repertório minuciosamente selecionado pelo maestro Julio Moretzsohn, será lançado o CD “Villa-Lobos”, pelo selo A CASA, do conjunto vocal Calíope, na Casa França-Brasil. O disco inaugura o projeto “Vozes do Brasil”, do grupo carioca, que busca registrar nos próximos anos a obra coral de compositores brasileiros do século XVIII aos dias de hoje, e se encarrega de destacar a produção de um dos principais expoentes da musica erudita no Brasil e no mundo.
Concebido a partir da lei de incentivo do Ministério da Cultura e da Petrobrás, o programa é composto exclusivamente de obras presentes no CD. O lançamento - sexto disco do Calíope, com regência de Moretzsohn e gravado no Estúdio Sinfônico da Rádio MEC (RJ) em 2011- reúne peças escritas de 1926 (Na Bahia tem) a 1952 (Lendas Ameríndias em Nhengatú), período em que Villa-Lobos mergulhou seus estudos nas culturas indígenas e afro-brasileiras, compondo uma longa série de obras de concerto de caráter profano para coro a capella. Seu núcleo é constituído pelo variado repertório, elaborado por Villa-Lobos nos anos 30, - destinado à educação musical nas escolas, e à prática do canto orfeônico -, no qual sobressaem duas coleções: o Guia Prático (para corais de alunos) e a “Coleção do Orfeão dos Professores”, com obras mais complexas (peças de concerto e arranjos de temas folclóricos). É a partir de meados dos anos 20, baseado em motivos afro-brasileiros e indígenas, que Villa-Lobos inaugura um período de obra coral a capella de caráter profano, e que culminaria com a Bachiana Brasileira no. 9 [1945].
O repertório deste CD traz arranjos de temas folclóricos destinados ao “Orfeão dos Professores”, como Papae Curumiassu (segundo Villa-Lobos, “uma canção de rede entre os caboclos do Pará”), Remeiro de São Francisco (arranjo para solista e coro a 6 vozes, segundo o próprio um “canto dos mestiços do rio São Francisco da Bahia, recolhido por Sodré Vianna”), Canide Ioune-Sabat (“tema indígena brasileiro recolhido por Jean de Lery”, no século XVI.), Estrela é Lua Nova (para soprano e coro misto a cinco vozes e, segundo Villa-Lobos, sua “ambientação” é um “gênero de Macumba de época passada”), Na Bahia Tem (coro masculino a quatro vozes, baseada em tema “recolhido na Bahia em 1912” pelo próprio), Xangô (para coro misto a cinco vozes, também de “gênero de Macumba de época passada”) e Vira (de 1926, um tema popular português, recolhido por Villa-Lobos, com arranjo para vozes femininas e sopranos solistas que se alternam).
Estão presentes no CD também composições originais, como Bazzum (descrito por Villa-Lobos como “ensaio para a canção popular”, com letra de Domingos Magarinos), As Costureiras (na sua descrição, “uma Embolada”), José (escrita em 1944, baseada no famoso poema “E Agora José?”, de Carlos Drumond de Andrade e dedicada ao Yale Glee Club, é descrita pelo compositor como uma “quadrilha caipira humorística”), Duas Lendas Ameríndias (baseada em dois contos em lingua nhengatú: “O Iurupari e o Menino” e “O Iurupari e o Caçador”, registrados por Barbosa Rodrigues em seu livro “Poranduba Amazonense”), Fuga (originalmente escrita para coro a quatro vozes e posteriormente orquestrada, tornando-se o 4° movimento da Bachiana Brasileira no 8) e a Bachiana Brasileira no 9 (de 1945, dedicada a Eleazar de Carvalho, em dois movimentos e escrita tanto para orquestra de cordas - a versão  mais difundida -  ou para coro misto a capella).

CONCERTO DE LANÇAMENTO DO CD
Calíope - Villa-Lobos - Obras corais profanas

Regência Julio Moretzsohn
Dia 27 de outubro, sábado, 17h
CASA FRANÇA-BRASIL
Rua Visc Itaboraí, 78 - Centro  Rio de Janeiro - RJ, 20010-060
Tel: 21-2332-5120
Ingresso R$ 2,00 (dois reais)

Programa

Lendas Ameríndias em Nhengatú (1952) 
O Iurupari e o menino
O Iurupari e o caçador
 
Bachiana 9 (1945) 
Prelúdio
Fuga

Canções do Canto Orfeônico – 2º volume: 
Remeiro de São Francisco (1934) - solo Lina Mendes (soprano)
Bazzum (1936)  (coro masculino)
Xangô (1935) 
Estrela é Lua Nova (1933) -  solo Lina Mendes (soprano)
Invocação em Defesa da Pátria (1943) (coro feminino) - solo Lina Mendes (soprano)
As Costureiras (1933) (coro feminino)

Papae Curumiassú (1933) - Solo Wladimir Pinheiro (barítono)
 
Na Bahia tem (1926) (coro masculino)
 
José (1944) (coro masculino)

Postar um comentário