quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

CCBH oferece sessões gratuitas de cinema em janeiro - (MG)

Em janeiro, o Centro de Cultura Belo Horizonte dá continuidade aos projetos Cinema de Bolso e CINE CCBH, exibindo obras que mostram um pouco da versatilidade e qualidade do cinema brasileiro.
O Cinema de Bolso oferece sessões de filmes nacionais em curta-metragem no intervalo do almoço, todas às quartas-feiras, às 12h30min, no Auditório do CCBH. Este mês, as obras apresentam um rico painel da diversidade urbana no Brasil contemporâneo.
Já o CINE CCBH, exibe longas nacionais sobre temas que variam mensalmente. Em janeiro, o projeto homenageia algumas das grandes atrizes brasileiras. Composta por filmes das décadas de 70, 80 e 90, a Mostra Grandes Atrizes Brasileiras apresenta, de 23 a 27 de janeiro, obras que têm em seu elenco nomes como Fernanda Montenegro, Iara Jamra, Fernanda Torres, Lucélia Santos, Norma Bengel, Giulia Gam, Zezé Motta, entre outras.
Confira a programação:
Cinema de Bolso
DIA 4 – quarta-feira – 12h30min
- Lurdinha, a vendedora de ilusões, de Cesar Cavalcanti
SC, 2007, Doc, Cor, 26 min.
Ilha de Santa Catarina, Florianópolis. Lurdinha, uma mulher de aproximadamente 40 anos, vestida elegantemente, vende bilhetes de loteria no centro da cidade. Uma abordagem poética conduzida pelos relatos do cotidiano de Bernardo Soares, um dos heterônimos de Fernando Pessoa, sobre a importância de personagens que poderiam ficar no anonimato, mas que se tornam um elo entre a vida privada e coletiva da população urbana.
Dia 11 – quarta-feira – 12h30min
- Porr gentileza, de Dado Amaral
RJ, 2002, Doc, Cor, 14 min.
O filme documenta a experiência do diretor que incorpora seu personagem, o Profeta Gentileza, e sai à rua para interagir com as pessoas. Marcante personagem da cidade do Rio de Janeiro, o Profeta Gentileza atuava no “lado B” da cidade, pregando que “Gentileza gera gentileza”.
- Na corda bamba, de Marcos Buccini
PE, 2006, Ani, Cor, 05 min.
Uma pequena fábula sobre a frieza da vida moderna e a tentativa de manter a alegria.
Dia 18 – quarta-feira – 12h30min
- Paola, de Eduardo Chaves
PB, 2004, Doc, Cor, 18 min.
José Bento dos Santos é um jovem que vive num povoado rural de 1.800 habitantes, com um dos piores Indicadores de Desenvolvimento Humano (IDH) do Brasil. Lá é conhecido como Paola. Nas palavras da agricultora Sonia, sua vizinha, o que Paola tem de diferente dos outros habitantes da cidade é que “ele só conversa coisa de mulher”.
Dia 25 – quarta-feira – 12h30min
- A lente e a janela, de Marcius Barbieri
DF, 2005, Fic, Cor, 12 min.
Uma menina ganha uma câmera de vídeo no Natal e se transforma através da lente e da janela.
- Truques, xaropes e outros artigos de confiança, de Eduardo Goldenstein
RJ, 2003, Fic, Cor, 16 min.
No Largo da Carioca, centro do Rio, o encontro entre um vendedor de bonecos, um mágico e um vendedor de xaropes levanta a questão da confiança entre os homens.
CINE CCBH
Dia 23 - segunda-feira – 19h
Tudo Bem, de Arnaldo Jabor
RJ, 1978, Fic, Cor, 110 min.
Uma família de classe média do Rio de Janeiro decide reformar o apartamento para o noivado da filha, que só pensa em se casar. O pai é funcionário público aposentado e perdeu o interesse pela mãe, que sofre com a rejeição. O filho é um executivo oportunista. Duas empregadas domésticas completam o quadro de moradores, que têm seu cotidiano totalmente alterado com a chegada dos trabalhadores. Em meio às obras, todos os habitantes desse microcosmo de conflitos sociais vão revelando suas particularidades.
Dia 24 - terça-feira – 19h
Fonte da Saudade, de Marco Altberg
RJ, 1986, Fic, Cor, 80 min.
Três mulheres – Bárbara, Guida e Alba (todas interpretadas pela atriz Lucélia Santos) – têm o mesmo passado comum: o pai foi embora para nunca mais voltar. O impacto desse trauma infantil resulta em três possibilidades diferentes de mulher.

Dia 25 - quarta-feira – 19h
Beijo 2348/72, de Walter Rogerio
SP, 1990, Fic, Cor, 87 min.
Um operário e uma operária de uma grande tecelagem de São Paulo são demitidos por justa causa, acusados de terem se beijado no ambiente de trabalho. A moça, casada, se conformou com os acontecimentos. O rapaz, solteiro, apelou à Justiça do Trabalho. O tempo passou, o processo trabalhista engordou, atravessou todas as instâncias até o Tribunal Superior do Trabalho (TST) em Brasília e, anos depois, o operário ganhou a causa, correspondente à irrisória quantia de oitocentos e seis cruzeiros e vinte centavos.

Dia 26 - quinta-feira – 19h
Sábado, de Ugo Giorgetti
SP, 1994, Fic, Cor, 85 min.
Um sábado em um prédio no centro de São Paulo. Um edifício histórico, orgulho do Comendador Argentilli. Feito para abrigar a fina flor da família paulista nos anos 1930, está caindo aos pedaços nos anos 1990. Nada funciona, e todos esperam que alguém tome uma providência. Esperam que alguém conserte o elevador, que o samba acabe, que Jesus ajude, que se possa cair fora o mais rápido possível. Um sábado de pequenos incidentes: a procura de um vitral, o elevador quebrado, um morto, um culto interrompido, um tênis desaparecido, uma farda alemã, a sujeira da escada, outro elevador pronto para a filmagem de um comercial. Surpresa, caos, confusão, indiferença. Enfim, São Paulo, Brasil...

Dia 27 - sexta-feira – 19h
Por trás do pano, de Luiz Villaça
SP, 1999, Fic, Cor, 90 min.
Na São Paulo de hoje, cinco pessoas muito especiais vivem suas histórias por trás do pano. Helena, uma jovem atriz em ascensão, com muito talento e insegurança, é convidada para viver o grande desafio de sua carreira. Ela é casada com Marcos, um artista plástico que brinca o tempo todo com os medos e os jogos de ciúme de sua mulher. A partir do momento em que Helena começa a se relacionar com Sérgio, um diretor e ator famoso, casado com Laís, um arquiteta bonita e ciumenta, as vidas dos dois casais se misturam e eles passam a viver momentos de dúvidas, de humor e descobertas.
Postar um comentário