quinta-feira, 23 de agosto de 2012

REQUIEM, DE GIUSEPPE VERDI NO THEATRO MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO


REQUIEM, DE GIUSEPPE VERDI NO THEATRO MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO

REQUIEM, DE GIUSEPPE VERDI
Eiko Senda, soprano
Adriana Clis, mezzo-soprano
Marcello Vannucci, tenor
Hernan Iturralde, baixo
Leo Hussain – regência


24 | AGO | 20h
26 | AGO | 17h

 
Uma das principais obras sinfônicas corais escritas pelo compositor italiano e uma das obras mais relevantes do repertório sacro lírico mundial, o Requiem de Giuseppe Verdi sobre ao palco do Theatro Municipal, vinculado à Secretaria de Estado de Cultura, para duas apresentações a partir de 24 de agosto. O concerto conta com o Coro e a Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal, regidos pelo maestro convidado Leo Hussain, um dos maiores expoentes da nova e versátil geração de jovens maestros britânicos, e com elenco de solistas formado pela soprano Eiko Senda, pela mezzo Adriana Clis, pelo tenor Marcello Vannucci e pelo baixo Hernán Iturralde.
Apresentado pela primeira vez em 22 de maio de 1874, o Requiem foi criado para marcar o primeiro aniversário de morte do poeta e romancista Alessandro Manzoni, por quem Verdi nutria grande admiração. Obra da maturidade de Verdi, a peça se vale de ritmos vigorosos, melodias sublimes e grandes contrastes dramáticos, com uma escrita de imensa qualidade. Sucesso imediato em todos os lugares onde foi apresentado, desde a sua estréia, quando regido pelo próprio compositor, na Igreja de São Marcos, em Milão.
O Requiem de Manzoni, como a obra também ficou conhecida, foi originalmente concebido para o compositor Gioachino Rossini, em razão de sua morte em 1868. Verdi sugeriu a vários compositores uma criação conjunta de um Réquiem para o mestre. Para si, tomou o Libera me para desenvolver. O projeto acabou não acontecendo por diversos motivos. Entretanto, Verdi continuou a trabalhar no seu Libera-me. Com a morte de Manzoni, ele decide compor um Requiem. Desta vez, o faz sozinho e utiliza versão do seu Libera me.
Postar um comentário