sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Ludmilla Gavrilov - Voz Ativa Madrigal - 15 anos



Ludmila ou Lud, como era tratada, é uma dessas pessoas que não aceitam a vida sem que nela promova uma substancial parcela de não rotina, de surpresas, de prazeres. Prazeres estes promovidos tanto pela matéria quanto pela espiritualidade.
Possuidora de um soprano lírico quase dramático, não havia uma só música em que ela não se envolvesse sinceramente. Uma sutil agressividade artística era notada por ouvidos e olhos atentos.
Vermelhinha, era assim que o maestro a travava com frequência, por conta de ela ser ruiva. Mas não só por isso, era comum o maestro quando apresentava um por um do grupo, por lapso de memória, esquecer nestas ocasiões o nome de um ou outro cantor, ocasiões em que ele não tinha dúvida, a apresentava pelo apelido e, caso não o tivesse, inventava um na hora, foi um uma ocasião com essa que a Lud passou a ser a Vermelhinha.”
Mas a Lud tinha características que rapidamente tornaram-se “logotipo” de sua trajetória dentro do Voz Ativa, uma especial tendência para atrair o inesperado e uma rara propensão ao tropeço  e ao tombo.
Certa vez, em um concerto que fazíamos em uma cidade do interior de São Paulo, ela, no meio de uma música calma e lenta, começou a se movimentar fora do ritmo e a dar discretos tapas na coxa direita. Como o grupo se apresenta em formato “meia lua”, sua conduta era facilmente notada. Seu rosto de cor muito clara, pois é filha de russo, passou a um rubro marcante. Em certo momento ela mais energicamente deu um tapa em pouco acima do meio da coxa e ficou segurando firmemente até o final da música. Imediatamente após o termino ela saiu e foi até o banheiro tirar a barata que insistia em passear por baixo de sua roupa enquanto ela cantava. Voltou para a apresentação mais aliviada.
Participávamos de uma mostra vocal em Blumenau, SC. Estávamos hospedados em um hotel que reservou uma sala para ensaios dos grupos interessados. Certa manhã após o dejejum matinal, foi marcado ensaio. Todos na sala já ensaiando quando o maestro parou para alguma correção no naipe masculino, as meninas naturalmente se encostaram na parede enquanto o maestro trabalhava as vozes masculinas. Lud da mesma maneira procedeu, mas, por distração ou confiança, encostou em uma espécie de janela ou tapume de madeira que imediatamente com o peso do seu corpo abriu. O barulho chamou a atenção de todos e a cena que se sucedeu foi apavorante, ela despencou e a única coisa que podemos ver foi seu corpo desaparecendo em um espaço completamente escuro, não havia a menor possibilidade de identificar nada, nem o tamanho do espaço ou a altura que separava o piso que estava com o nível inferior. Uma lanterna foi imediatamente solicitada, algumas pessoas a chamavam e um sussurro sai da escuridão dando conta de que ela estava acordada. “Não se mexa até o socorro chegar, você esta me escutando, não se mexa” orientava o maestro (que já havia cursado  educação física com especialização em fisioterapia). Logo uma lanterna chegou e pudemos notar que, embora a altura não fosse tão grande, uma queda inesperada poderia ser causadora de sérios ferimentos, principalmente pelo fato de o hotel utilizar o espaço para armazenar vidros. Ela caiu por entre duas pilhas, uma de vidros quebrados e outra de vidros armazenados verticalmente, muita sorte., caísse ela alguns centímetros tanto para a esquerda como para a direita fatalmente teria se cortado com seriedade. A altura correspondia a mais ou menos um metro e meio, mesmo ela insistindo que estava bem, o maestro não deixou ela sair do local enquanto os paramédicos não chegaram para orientação profissional.
Graças a Deus nada de sério e a noite ela já participava do concerto.
Embora no ato não houvesse uma só pessoa que tivesse achado engraçado, passado o susto foram muitas as piadas e gozações a respeito do episódio. Ela com sua peculiar calma quase irritante, aceitava tudo com naturalidade.
Lógico que suas aventuras não se restringiram a esses dois episódios, foram 10 anos de histórias juntos, estas que apresentamos foram só para ter-se ideia do que afirmamos anteriormente.
Mas a vida rumou para diferentes caminhos entre as atividades do grupo e o que ela tinha necessidade e de certa forma obrigação de viver, fatos que fizeram com que ela se afastasse do grupo para diplomar-se em psicologia e viver momentos que considerava importantes para sua existência.
Contudo, seu desligamento não foi motivo de afastamento. Acompanha com carinho a trajetória do grupo e sua amizade é um dos nossos patrimônios.
Nosso especial carinho e agradecimento a nossa querida “Vermelhinha”.
.

Postar um comentário