quinta-feira, 18 de julho de 2013

Música Eletroacústica

 
Em 1948 é criado o Groupe de Recherches Musicales (GRM) na França por Pierre Schaeffer. Sem a utilização de partitura, o pioneiro da música eletroacústica transformou e organizou os sons para realizar suas obras musicais. Naquela época, esta modalidade de composilção foi batizada de musique concrète, em oposição à música abstrata, escrita em partitura. Pierre Schaeffer, Pierre Henry, Luc Ferrari e François Bayle compuseram “de ouvido”, experimentando e realizando audições críticas dos sons. A música concreta possibilitava a utilização de uma grande variedade de sons. Sons de qualquer natureza podiam ser gravados para servir de material musical ao compositor. Os compositores Herbert Eimert e Robert Beyer realizaram os primeiros experimentos com equipamentos eletrônicos na rádio NDWR de Colônia. A Música Eletroacústica passou a utilizar sons produzidos por sintetizadores buscando a elaboração elementar do som a partir de suas propriedades físicas. Em 1951 Herbert Eimert cria o primeiro estúdio de Música Eletrônica na própria rádio NWDR e inicia a Escola Senoidal formada por ele e outros compositores.

E no Brasil? Como surgiu e se desenvolveu a música eletroacústica? De uma maneira muito resumida podemos citar alguns acontecimentos, compositores e obras que colaboraram para a música eletroacústica em nosso país. Ainda que incompleta, estas citações podem auxiliar as pessoas a conhecer um pouco mais sobre o tema e procurar novas referências.

No Brasil, as experiências eletroacústicas iniciam com o compositor Jorge Antunes que constrói seus instrumentos e cria as primeiras obras eletrônicas: Pequena Peça para Mi Bequadro e Harmônicos (1961) e Valsa Sideral (1962). É bem verdade que antes, mais precisamente em 1956, o compositor Reginaldo de Carvalho, torna-se o primeiro brasileiro a criar uma peça eletroacústica. Reginaldo compõe em Paris  Sibemol, consistindo em um estudo para microfones com sons captados de dois pianos, matéria plástica esticada e tamborim. De volta ao Brasil, Carvalho assume a direção do Instituto Villa-Lobos, no Rio de Janeiro, um importante centro para pesquisa e divulgação da música contemporânea. Neste Instituto Jorge Antunes encontra espaço para dar continuidade a suas  pesquisas em música eletroacústica.

Em 1965 ele inicia as pesquisas no domínio da correspondência entre os sons e as cores e compõe uma série de trabalhos a que intitula de cromoplastofonias, para orquestras, fitas magnéticas, luzes, usando também os sentidos do olfato, do paladar e do tato.  Entre 1966 e 1967, o Cláudio Santoro compõe Aleatórios I, II, III para fita magnética.

Os compositores brasileiros são beneficiados com a incorporação do computador e outras tecnologias aos laboratórios das Universidades Brasileiras. São inaugurados  estúdios, laboratórios,  centros  de pesquisa em composição na área específica da música eletroacústica. Estes novos espaços não são estúdios para produção de música comercial e/ou popular nem estúdios de gravação, mas núcleos destinados à pesquisa e criação de música de vanguarda.
Além da influência provinda da Europa e dos EUA, outros acontecimentos  contribuiíram para despertar o interesse ds compositores para a utilização das novas tecnologias na música contemporânea. O sintetizador modular brasileiro é construído em 1975  por Guido Stolfi e Celso Oliveira, fruto de uma pesquisa acadêmica na USP.

 Em 1977 Arcela apresenta o “Sistema de Geração Espectral Dinâmico para Síntese de Sinais Musicais”. O pesquisador continua seu trabalho em Brasília inaugurando o Laboratório de Processamento Espectral no Departamento de Ciência da Computação da Universidade de Brasília onde desenvolve a linnguagem SOMA-A para síntese aditiva.

Em 1981, no Rio de Janeiro  é instalado, num quarto do atelier de restauração de quadros e gravuras, o Estúdio da Glória. Placas acústicas nas paredes, porta dupla e um teto rebaixado abrigaram as primeiras ferramentas de trabalho do que veio a tornar-se o maior núcleo de produção eletroacústica do Brasil. Os pioneiros que continuaram o estúdio após sua criação foram Tim Rescala, Rodolfo Caesar.  A produção do Estúdio da Glória foi lançada em CD.
Postar um comentário