quinta-feira, 27 de março de 2014

Villa-Lobos versus Tolstoi


A aldeia universal de Villa-Lobos
O conflito entre o regional e o universal foi um dos principais dilemas que se colocou ao artista a partir do século XX. Tendo se caracterizado, desde os primórdios, como o século da universalização, mas herdado as tendência do final do século XIX que revelavam o vigor dos valores regionais na cultura ocidental, esse período criou uma verdadeira angústia estética e ideológica na mente dos autores, sobretudo daqueles vindos de países com rica expressão popular, como é o caso do Brasil. Os “nacionalóides” nos dizeres de Décio Pignatari) adoram a frase de Léon Tolstoi, em que ele afirma que “se quiser ser universal, comece por pintar a sua aldeia”. Ora, se a pessoa não possuir a riqueza de alma do grande escritor romântico (e “anarquista”) russo, facilmente vai conferir a essa frase um sentido provinciano e caipira. Mesmo que em um de seus romances ele tenha tratado do caso de um personagem de aldeia dos cafundós do Cáucaso, o viés crítico como Tolstoi abordou aquela realidade possui uma dimensão da tal maneira universal e humana q, que um leitor desprevenido, ao lê-lo sob o céu azul de Amaralina, vai se identificar com ele como se o fato tivesse ocorrido na esquina de sua casa e não nas longínquas montanhas pedregosas e geladas do Mar Negro.
Tudo isso me veio à mente ao ouvir há pouco a interpretação  - por parte de uma jovem virtuose francesa que esteve no Brasil, Fanny Clamigirand – da Sonata-Fantasia nº 1 (Desesperança) para violino e piano de Heitor Villa-Lobos. Essa obra plena de virtuosismos revelava, por parte do autor, um completo domínio artesanal da técnica composicional e dos recursos dos instrumentos, e uma total identidade com a música ocidental que se fazia na época. Ora, essa sonata foi composta no ano de 1912, exatamente no momento em que Villa-Lobos voltava de uma longa viagem pelo interior do Brasil. Tão embrenhado esteve ele em suas pesquisas que sua família chegou a pensar que havia morrido, mandando celebrar uma missa em louvor a sua alma.....
Existe, também uma gravação, “Villa-Lobos por ele mesmo”, na qual em meio a interpretações suas de composições próprias ele faz um longo discurso, uma verdadeira oração de amor ao Brasil, provavelmente fruto dessa sua identificação com nosso valores humanos e artísticos. Sabe-se que Villa ao voltar dessa longa peregrinação , no início da segunda década do século passado, fixou-se no Rio e iniciou com obstinação a elaboração de sua genial criação musical. Seria esse, portanto, o momento de começar a “pintar sua aldeia”. Villa fez exatamente o contrário. Procurou exercitar seus conhecimento no universo impressionistas e expressionistas que então nasciam na Europa. Em vez de começar a compor lundus e maracatus para sala de concertos, escreveu uma música com know-how composicional do fervescente início de uma nova era na história da humanidade, o revolucionário século XX.
Ao trazer para usa obra os valores telúricos que tanto o encantaram – com essa postura e com uma mente tão enriquecida de técnicas expressivas – o resultado teria de ser efetivamente outro e de uma grandeza fora do comum, um legado de dimensões universais. Villa-Lobos o músico brasileiro mais executado em todo o mundo (popular ou erudito), segundo revelam as arrecadações de direitos autorais que nos chegam do exterior.
Transformar em matéria prima cultural em um valor universal é simplesmente usar uma criação popular espontânea e orquestrá-la ou elaborá-la para sala de concertos. Existem expressões musicais populares sem o menos interesse, paupérrimas, e que tem sentido apenas dentro dos limites e do sentimento da aldeia a qual foram geradas, de nada adiantaria, portanto, “pintá-las”. A mente iluminada de Villa é que soube, mais do que fazer uso da expressão popular natural, identificar na nossa criação autêntica os pólos efetivamente criativos e de importância cultural. Isso associado a sua capacidade de “industrializar” idéias, matérias-primas artísticas, fizeram com que sua obra tivesse a dimensão maior que todos nós conhecemos e que o mundo reverencia, não só por  “ser brasileira”, mas por ter uma densidade estética que a coloca no mesmo nível dos maiores compositores dos períodos mais ricos e transformadores da história, o século XX.
É por essa razão  que quando o “Dante”, o “Michelangelo” o “Homero” do século XX – Igor Stravinsky – veio ao Brasil, ao descer do avião parou no último degrau da escada , fixou o olhar no chão e disse: “que satisfação pisar na terra que nasceu Villa-Lobos”.


Por Júlio Medaglia
Revista Concerto – Nov. 2009  - Atrás da Pauta – pag. 18.
(Reeditado)

Postar um comentário