terça-feira, 14 de agosto de 2012

“Trial by Jury” seleciona elenco



O espetáculo estreia em outubro no Salão Histórico do Primeiro Tribunal do Júri, Antigo Palácio da Justiça.

Coordenado por José Henrique Moreira, o projeto de extensão “Trial by Jury - da opereta ao musical” acaba de selecionar os solistas que participarão da montagem da divertida peça em um ato, prevista para estrear em outubro no Centro Cultural do Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro (CCPJ-Rio). Parceria da UFRJ com essa instituição cultural, a equipe técnica e artística será formada por docentes, funcionários e estudantes das escolas de Comunicação, Belas Artes, Música e da Faculdade de Direito da UFRJ, num trabalho integrado que envolve um workshop de teatro musical para os alunos de música e teatro, a criação de cenografia e figurinos, prática de orquestra, produção cultural e pesquisa histórica sobre o Tribunal do Júri.
Com música de Arthur Sullivan e libreto de W.S. Gilbert, “Trial by Jury” põe em cena o julgamento de um “bon vivant” acusado de ter abandonado a noiva às vésperas do casamento. Alunos da EM, os solistas escolhidos foram Marcela Lopes Duarte, que encarnará a personagem Angelina, a requerente; Bruno dos Anjos Pimentel, será Edwin, o réu; Fernando Alves Lourenço Rodrigues, o advogado da requerente; e Allan Souza Conceição, o meirinho do tribunal. Os papeis remanescentes serão definidos ao longo do trabalho.
 − Na verdade, "Trial by Jury" é muito mais uma obra de conjunto (sobretudo de coro) do que de destaques individuais, e isso foi uma razão importante para a escolha da opereta, destaca Moreira, que é docente do bacharelado em Direção Teatral da ECO.
 Com duração de cerca de 40 minutos, a obra é uma das “Savoy Operas”, série de operetas que deram origem, em Londres, aos típicos musicais do West End, a “Broadway” da capital inglesa. O nome como ficaram conhecidas deriva do teatro construído em Londres, em 1881, pelo empresário e produtor Richard D'Oyly Carte para encenar este tipo de espetáculo. Escrita em 1875 e estreada no mesmo ano no London's Royalty Theatre, “Trial by Jury” é o segundo trabalho da dupla Gilbert e Sullivan – parceria responsável por 14 óperas cômicas, entre os anos 1871 e 1896. Com um tratamento musical menos “pesado” e baseado em tramas de gosto mais popular e menos melodramático, elas alcançaram um sucesso estrondoso e acabaram influenciando a linguagem do teatro, do cinema e da televisão.
 Estão previstas oito récitas, marcadas para 17 a 27 de outubro no Salão Histórico do Primeiro Tribunal do Júri, Antigo Palácio da Justiça, na Praça XV, seguida uma ou duas apresentações no Salão Pedro Calmon, do campus da UFRJ na Praia Vermelha. A obra será encenada em língua portuguesa com o título “Caso no Júri”. José Henrique assinará a concepção cênica do espetáculo. A preparação corporal e vocal ficam, respectivamente a cargos, dos professores Marcellus Ferreira, da ECO, e Marcelo Coutinho, da EM. A Orquestra Sinfônica da UFRJ (OSUFRJ) será conduzida por Juliano Dutra.
Postar um comentário