terça-feira, 21 de maio de 2013

Começa hoje a Mostra revela África em 18 documentários - entrada gratuita



A Caixa Cultural em São Paulo recebe, a partir desta terça-feira (21), a mostra de documentários "África Hoje". O evento reúne 18 produções, feitas a partir de 2002, sobre a política, a história e a cultura do continente, sob o ponto de vista de quem mora ou tem estreitas relações com os países africanos. Todas as sessões são gratuitas.

A curadora Luciana Hees, que mora e trabalha em Moçambique desde 2003, avaliou cerca de 30 filmes para compor a seleção da mostra e afirma que procurou fugir de produções que estereotipam a África. É por isso que destaca, por exemplo, os longas que mostram a influência árabe no continente.

"Acho importante salientar esse dado porque normalmente as pessoas não associam a África à cultura árabe e o Brasil tem 12 milhões de árabes e descendentes", diz Luciana.Dentro desse perfil, "Rouge Parole" (Tunísia, 2011), de Elyies Baccar, é o mais representativo da mostra. Eleito um dos melhores documentários de 2012 pelo Moma (Museu de Arte Moderna de Nova York) fala da revolução popular ocorrida em 2011, que tirou do poder o ex-ditador Zine El Abidine Ben Ali, e serviu como estopim para a Primavera Árabe que resultou na queda de governos no Egito, Líbia e Iêmen.

Outra importante produção da mostra é "As Duas Faces da Guerra" (Guiné Bissau, Cabo Verde e Portugal, 2007), de Diana Andringa e Flora Gomes.

O filme mostra a curiosa cumplicidade entre os que lutavam contra o colonialismo português, engajados no PAIGC (Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde) e os que engrossavam as fileiras do Exército português, durante os conflitos iniciados em 1963.

O pensamento de Amílcar Cabral, fundador do PAIGC, de que a guerra não era contra os portugueses, mas contra o colonialismo português, é o que vai aproximar esses dois lados e depois abrir caminho para a Revolução dos Cravos, em 1974.

Luciana Hees acredita que boa parte dos filmes dialoga com a realidade brasileira. Em especial, "Fahrenheit 2010" (África do Sul, 2009), de Craig Turner.

"Esse eu fiz questão de incluir", diz. "O filme mostra as pessoas que foram removidas de suas casas para a construção de estádios, fala das verbas incríveis gastas para criar essa infraestrutura e de como esses estádios agora estão abandonados, cheios de problemas", diz.

Na abertura do evento, além de "Rouge Parole", será exibido "A Casa da Mãe" (África do Sul, 2007), de François Verster, um registro de quatro anos na vida de uma adolescente que mora com a mãe e a avó em na periferia de Cape Town, na África do Sul.

Haverá, ainda, um debate sobre o tema "Que espécie de democracia trouxe a Primavera Árabe?", com a doutora em cinema e políticas culturais pela USP, Alessandra Meleiro, e Marcio Abujamra, diretor do longa "Jards Macalé - Um Morcego na Porta Principal".

Mostra 'África Hoje'
Quando: 21/05 - 02/06 (Confira a programação completa)
Onde: Caixa Cultural São Paulo
Entrada Gratuita

Postar um comentário