segunda-feira, 6 de maio de 2013

Edu Lobo lança disco 'Edu Lobo & Metropole Orkest', gravado há dois anos em Amsterdã


Três anos depois do último CD de inéditas ('Tantas marés'), Edu Lobo, de 69 anos, está de volta aos discos de capa escura que vêm marcando os (re)lançamentos e edições cujo repertório não tem faixas originais. O “escuro” da vez, com direito à já clássica pose do cantor-compositor na capa, é 'Edu Lobo & Metropole Orkest', que Edu gravou há dois anos, durante apresentação no Teatro Beurs van Berlage, Amsterdã, ao lado da orquestra holandesa.
Sob a regência do maestro Jules Buckley, o concerto realizado em maio de 2011 reúne temas como 'Casa forte', 'Canto triste' (com Vinicius de Moraes) e 'Vento bravo' (com Paulo César Pinheiro), além das canções 'Dança do corrupião' e 'No cordão da saideira'. Ao lado dos músicos da Metropole, Gilson Peranzzetta (piano e acordeom) assina as orquestrações do CD e Mauro Senise comparece com a flauta piccolo e os saxofones alto e soprano.
O projeto surgiu a partir do convite feito ao compositor, músico e arranjador pela Orquestra Metropole. Formada em 1945, a orquestra holandesa é tão numerosa quanto musicalmente versátil. Com ela já se apresentaram artistas com Al Jarreau, Herbie Hancock, Paquito D’Rivera, Brian Eno e Andrea Bocelli.
Antes do convite a 'Edu, a Metropole Orkest' já havia tocado com os brasileiros Astrud Gilberto, Egberto Gismonti e Ivan Lins. 'Edu Lobo & Metropole Orkest' chega às lojas depois da reedição do clássico 'Meia-noite', de Edu, originalmente lançado em 1995, pela extinta gravadora Velas.
Arranjador e orquestrador de vários registros de suas composições, Edu Lobo surge como intérprete à frente da Orquestra Metropole. Depois de cuidar, ele mesmo, dos arranjos de suas obras, nos últimos anos Edu tem preferido contribuir com ideias e sugestões, dividindo o trabalho – sejam CDs, trilhas para cinema e teatro e shows – com orquestradores, como Cristóvão Bastos, Nelson Ayres, Gilson Peranzzetta e Chico de Moraes.

Postar um comentário