terça-feira, 21 de maio de 2013

Theatro Municipal do Rio de Janeiro apresenta o ballet O Lago dos Cisnes



Divisor de águas na história do ballet clássico ao trazer uma série de inovações ao gênero, como os trajes ‘tutus’, para facilitar os movimentos de maior técnica exigidos pela coreografia às bailarinas, O Lago dos Cisnes, o mais famoso e popular ballet romântico, retorna, sete anos após sua última temporada, ao palco do Theatro Municipal do Rio de Janeiro – vinculado à Secretaria de Estado de Cultura –, a partir de 24 de maio, dando prosseguimento à programação artística elaborada pelo Maestro Isaac Karabtchevsky.


Na versão criada em 2006, por Yelena Pankova, especialmente para o Ballet do Theatro Municipal, revezam-se nos papeis principais, até 2 de junho, os Primeiros Bailarinos do San Francisco Ballet, a cubana Lorena Feijoo e o brasileiro Vitor Luiz, como convidados especiais, e as estrelas do BTM, Márcia Jaqueline, Cláudia Mota, Filipe Moreira e Denis Vieira. O Ballet do Theatro Municipal tem Direção Artística de Hélio Bejani. A Orquestra Sinfônica do TM terá à frente o Maestro Silvio Viegas, seu regente titular.

A primeira versão de O Lago dos Cisnes fez sua estreia em 1877, com coreografia de Julius Reisinger, para o Teatro Bolshoi de Moscou. Apesar da beleza da música de Tchaikovsky, a temporada foi um fracasso, acentuado pelo fraco desempenho da protagonista, Pelageya Karpakova. Somente em 1894, um ano após o falecimento do compositor russo, o ballet ganharia uma nova versão consagradora. Neste ano – quando outros ballets com música de Tchaikovsky já eram sucesso, como A Bela Adormecida, de 1890, e O Quebra-Nozes, de 1892 –, o príncipe Ivan Alexandrovich, diretor do Teatro Mariinsky de São Petersburgo, decide prestar-lhe uma homenagem com uma nova versão de O Lago dos Cisnes, coreografado por Marius Petipa (1º e 3º atos) e Lev Ivanov (2º e 4º atos). Desde então, tornou-se um dos mais populares ballets do repertório clássico.

A temporada marca também a estreia do projeto Falando de Ballet. Serão palestras gratuitas com uma hora de duração sobre o espetáculo a ser apresentado – aos moldes das opera talks realizadas habitualmente em teatros europeus –, com início uma hora e meia antes do começo da sessão, no Salão Assyrio. Os palestrantes serão Hélio Bejani, diretor do BTM, e a primeira bailarina Ana Botafogo, que se revezarão ao longo das nove récitas, falando sobre a história de O Lago dos Cisnes e abordando também detalhes específicos desta montagem.

Postar um comentário