sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Quarteto Radamés Gnattali apresenta em Salvador Homenagem a Heitor Villa-Lobos – Bem Brasileiro – BA

Concertos gratuitos serão nos dias 30 e 31, no Centro Cultural Correios

Depois de percorrer diversas cidades brasileiras, chega a Salvador o consagrado Quarteto Radamés Gnattali para duas apresentações abertas ao público, dentro do projeto Homenagem a Heitor Villa-Lobos – Bem Brasileiro, nos dias 30 (sábado) e 31 (domingo) de outubro, no Centro Cultural Correios, na Praça Anchieta, 20 (ao lado da Igreja de São Francisco), no Centro Histórico. Os concertos terão início às 19 horas, com senhas distribuídas uma hora antes, até a lotação do espaço (60 lugares). No programa, serão interpretados os quartetos cinco e seis, considerados os mais representativos do grande maestro e compositor.
O projeto patrocinado pelos Correios é uma realização do Centro Cultural Correios, e foi lançado para lembrar os 50 anos da morte de Villa-Lobos, um gênio e um dos maiores compositores da história da música brasileira. A direção de produção é da Baluarte Agência de Projetos Culturais. Produção executiva de Bia Peixoto e Lívia Simas.
Tempero baiano – Coube ao Quarteto Radamés Gnattali a realização dessa magnífica homenagem a Villa-Lobos, que nasceu em 1887 e faleceu no Rio de Janeiro, em 1959, deixando cerca de 1.500 peças, nos mais diversos gêneros e formações instrumentais e vocais. “Como em todo o lugar que a gente toca, na África, na América do Sul ou no Brasil, há um traço comum e contagiante. Nós colocamos muita vida nessas execuções; vai além do que está no papel”, afirma um dos integrantes do grupo, o violista Fernando Thebaldi. “O público percebe todo o amor de Villa-Lobos pelo Brasil, a sua brasilidade. A gente coloca um pouco mais de poesia, porque não cabe uma execução maçuda. Nós trazemos o rigor técnico, mas também as emoções, como a melancolia, a paixão, a brincadeira e o amor desse artista bem brasileiro que influenciou e influencia outros grandes artistas, como Tom Jobim. “Falando pelo Quarteto, Thebaldi acrescenta com entusiasmo: “Estamos felizes por esta apresentação inédita em Salvador, que esperamos seja a primeira de várias outras, e o público, com seu ‘tempero baiano’, energia e sensibilidade, vai adorar”.
Grupo Premiado – Formado por Fernando Thebaldi (viola), Carla Rincón (violino), Francisco Roa (violino) e Hugo Pilger (violoncelo), o Quarteto fundado há 16 anos no Rio de Janeiro reúne músicos premiados em diversos concursos nacionais e internacionais. O grupo conquistou o XIII Prêmio Carlos Gomes, na categoria “Conjunto de Câmara de Música Erudita” pela execução integral dos quartetos de cordas de Villa-Lobos e pelo projeto Concertos Didáticos, consolidando-se como o ensemble de cordas de “uma sonoridade de perfeito equilíbrio e fraseado impecável”, conforme expressou o Jornal do Brasil On-line. A conquista desse renomado prêmio é resultado das performances em palcos brasileiros, americanos, europeus e africanos, levando a mais refinada interpretação da música de câmara brasileira.
Gravações inéditas – Depois de fazer a primeira e única interpretação, até o momento, no Brasil e na América do Sul de toda a obra para quarteto de cordas de Heitor Villa-Lobos durante o Festival Villa-Lobos de 2009, no Rio de Janeiro, o Quarteto Radamés Gnattali está realizando, este ano, em ritmo frenético, a gravação inédita no mundo dos 17 quartetos em CD, DVD e Blue-Ray. O pré-lançamento deverá ocorrer em fevereiro de 2011, no Rio. Depois, a partir de maio, revela Thebaldi, esse trabalho será levado para 10 capitais brasileiras, incluindo Salvador. O lançamento mundial está previsto para acontecer em Nova Iorque ou Paris.
“Trata-se de um trabalho heroico porque os quartetos são peças bem elaboradas, com muitas dificuldades técnicas, só produzidas numa fase de grande maturidade do artista. Desde 1700, com Haydn, os quartetos são o filé mignon da música clássica, e é preciso ter um respeito muito grande”. A série de quartetos de Villa-Lobos é um marco na história da música do século XX, e somente Shostakovich e Milhaud se aproximam em quantidade da produção do mestre brasileiro.
Projetos do Quarteto – Ainda em 2010, o Quarteto Radamés Gnattali gravará, em parceria com o violonista Zé Paulo Becker, o CD “As Quatro Estações Cariocas”, com crônicas musicais sobre estações de trem do Rio de Janeiro, com composições inéditas dedicadas ao grupo escritas por Paulo Aragão, Sergio Assad, Maurício Carrilho e Jayme Vignoli. Em 2010 o Quarteto Radamés também parte em novas viagens de Concertos Didáticos para o Ceará, Mato Grosso do Sul e Tocantins. Essa série de concertos nasceu em 2009, quando o grupo viajou pelo Acre, Mato Grosso e Piauí, apresentando espetáculos baseados no Guia Prático de Villa-Lobos em escolas da rede pública.
Em apresentações no Rio de Janeiro, onde está sediado, o Quarteto Radamés Gnattali construiu uma relação de intimidade com o público. participando de festivais de música de câmara pelo país como a Bienal de Música Contemporânea da Funarte, MIMO, Festival Villa-Lobos, Caixa Cultural, dentre outros. O conjunto também realizou, a convite da Universidade Estadual da California-Stanislaus, uma turnê de concertos e workshops pelos EUA em 2007, focada essencialmente na música brasileira. Estes projetos prepararam o cenário para a gravação do CD Quadro Brasil, um mergulho na produção de Camargo Guarnieri, Gnattali, Cláudio Santoro e Villa-Lobos muito elogiado pela crítica.
Recuperar partituras – Desde a sua criação em 1994 o Quarteto Radamés Gnattali tomou para si a missão de interpretar os grandes compositores brasileiros e latino-americanos, como Villa-Lobos, Radamés Gnattali, Cláudio Santoro, Camargo Guarnieri e Astor Piazzolla. “Ao mesmo tempo, recuperamos partituras que muitas vezes estavam desaparecidas ou bastante danificadas”, explica Fernando Thebaldi. Segundo ele, as maiores dificuldades para a divulgação das nossas obras no mundo são a questão do direito autoral e o estado precário das partituras originais. “É um cuidado muito grande, precisa passar um pente fino e limpar esse material, porque lá fora, as músicas deixam de ser executadas quando não há uma partitura clara, limpa, sem borrões”. Quanto ao direito autoral, acrescenta, a obra só cai em domínio público depois de 70 anos da morte do compositor. “É um problema muito delicado para resolver”.

Serviço
Quarteto Radamés Gnattali (RJ)
“Homenagem a Heitor Villa-Lobos – Bem Brasileiro”
Centro Cultural Correios – Praça Anchieta, 20, ao lado da Igreja de São
Francisco – Centro Histórico
30 (sábado) e 31 (domingo) de outubro, às 19 horas
Entrada franca – senhas distribuídas uma hora antes, até a lotação do espaço
(60 lugares)

http://www.cultura.ba.gov.br/2010
Postar um comentário