quinta-feira, 12 de abril de 2012

George Gershwin

George Gershwin

Nascido em um bairro nova-iorquino, em 1898, em uma família pobre, de judeus russos, George Gershwin, dotado de uma imaginação melódica aparentemente inesgotável ficou célebre pelas centenas de canções de sucesso que escreveu, muitas delas para musicais feitos em parceira com seu irmão, o letrista Ira Gershwin, como Lady Be Good (1926) e Girl Grazy (1930).
Embora seus conhecimentos de orquestração e teoria musical fossem limitados, Gershwin se aventurou também pelo terreno da música de concerto. Sua carreira nesta área tomou impulso quando Paul Whiteman, líder de uma célebre banda de jazz, encomendou a Gershwin uma obra para o próprio compositor interpretar ao piano, acompanhado pelo grupo de Whiteman. Nascia assim a Rapsody im blue.
Hoje mais executada peça para piano e orquestra das Américas, a Rhapsody in Blue, orquestrada por Ferde Groffé três vezes; em 1924. 1926 e 1942, quando a peça ganhou a feição com que habitualmente é executada, para grande sinfônica, mantendo, contudo, os instrumentos de banda de jazz como banjo e saxofones. Tido como uma espécie de marca registrada do compositor, o glissando do clarinete que abre obra não foi escrito por Gershwin, trata-se de um efeito realizado, em um ensaio, por Ross Gorman, clarinetista da banda de Whiteman, que o autor imediatamente resolveu incorporara à partitura.

O sucesso de Rhapsody animou o compositor a arriscar novas criações para as salas de concertos, dentre as quais as mais célebres foram o Concerto para Piano em fá, de 1925, e Um americano em Paris, do ano seguinte.
Contudo, sua criação mais ambiciosa foi uma ópera, Porgy and Bess, com libreto de DuBose Heyward e versos de Ia Gershwin e Dorothy Heyward. Baseada no romance Porgy, do casal Heyward, a ópera é ambientado em Catfish Row, local fictício, antiga propriedade rural da aristocracia, convertida em cortiço de negros, no cais de Charleston, na Carolina do Sul. O par romântico é formado pelo aleijado Porgy and Bess, a namorada do violento estivador Crown, cobiçada também pelo traficante Sporting Life.

Estreada em 1935, Porgy and Bess inspirou álbuns de alguns dos mais importantes nomes do jazz, como Miles Davis, Louis Armstrong e Ella Fitzgerald, graças ao apelo instantâneo de itens como a canção de ninar Summertime.

Em janeiro de 1936, Gershwin uniu alguns dos principais temas da ópera em A Suite From Porgy and Bess, para ser executada em uma turnê que ele fez com a Orquestra da Filadélfia, regida por Alexandre Smaltens, na qual o próprio compositor atuava como solista de seu Concerto em fá.

Depois dessa excursão, a partitura, contudo, ficou esquecida. Um tumor cerebral tirou a vida do compositor prematuramente, aos 38 anos de idade, em 1937, e foi só em 1958 que ira encontrou a obra, meio por acaso, nos arquivos de sua casa, em Beverli Hills.

Para distinguir a peça de Porgy and Bess, a Symphonic Picture, suíte da ópera que Robert Russel Bennett (1894-1981) escrevera sob encomenda do Maestro Fritz  Reiner, em 1942, Ira decidiu, então, realiza-la, dando o nome de Catfish Row, pelo qual ela é hoje conhecida. E entregou a partitura ao regente Maurice Abravanel responsável pela reentrada da suíte em circulação.

 Programa de Concerto Osesp jun/jul 2008 – p. 14-15.
Postar um comentário