segunda-feira, 2 de julho de 2012

Conteúdo teórico ganha novo fôlego na 23ª edição do Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga


Encontro de Musicologia Histórica reúne estudiosos de todo o país. Todas as informações sobre o Festival estão disponíveis no site www.promusica.org.br

O 23º Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga é um marco na história da realização como a primeira edição promovida depois da incorporação do Centro Cultural Pró-Música pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Este divisor de águas poderá ser conferido pelos inscritos e pelo público no maior fôlego no conteúdo teórico do evento. Entre os dias 15 e 29 de julho professores e estudiosos da música reúnem-se na cidade mineira para ensinar aos cerca de 700 inscritos, mas também para discutir os rumos desta arte e para ilustrar a platéia dos concertos.
Além de 36 cursos nas áreas de cordas, sopros, orquestras, vozes e didática da musicalização ministrados por 48 conceituados professores brasileiros e estrangeiros, o evento oferece master class internacional com integrantes do Ricercar Consort e palestras, ministradas por Paulo Bosísio, Homero Magalhães Filho, Rodolfo Valverde e César Villavicencio. O ponto de convergência entre conhecimento e performance é o bate-papo que antecede os concertos, toda noite, às 19h30, quando o professor Rodolfo Valverde fará comentários sobre as atrações e os programas dos recitais.
Também na esteira da transformação do Pró-Música, um dos mais premiados centros culturais do país, em núcleo da UFJF, por sua vez uma das mais bem avaliadas no ensino superior, está a retomada do Encontro de Musicologia Histórica. Em sua nona edição, o maior evento brasileiro do gênero em número de edições bienais, número de trabalhos publicados e duração temporal recebe pesquisadores convidados e inscritos.
30 concertos gratuitos
Grandes estrelas da música de concerto, especialmente do cenário da música antiga, reúnem-se em Juiz de Fora (MG) para o 23º Festival. Nomes brasileiros e estrangeiros de primeira grandeza marcam presença em 30 concertos, todos gratuitos, com expoentes como o Ricercar Consort (Bélgica), o More Hispano (Espanha), o pianista Arnaldo Cohen, o violonista Yamandu Costa e a Orquestra Filarmônica de Minas Gerais.
Entre os pontos altos está a apresentação da Orquestra Barroca do Festival. Formada por músicos de consolidada carreira internacional, a orquestra amplia sua discografia com novo registro em CD de música barroca e colonial interpretada de forma historicamente correta. As apresentações vespertinas e noturnas tomam praças, teatros e igrejas.
Artes plásticas
Com curadoria da Pró-Reitoria de Cultura da UFJF, o Festival terá três mostras de artes plásticas. A Galeria Renato de Almeida do Centro Cultural Pró-Música recebe “O som no tempo: a evolução dos instrumentos musicais”. Já o Museu de Arte Murilo Mendes será sede de duas exposições: “Il Guarany Carlos Gomes” – Serigrafias de Carlos Scliar, na Galeria Poliedro, e “Santos todos nós” – Cerâmicas de Hélio Siqueira, na Galeria Retratos-relâmpago.
O 23° Festival tem o patrocínio de Petrobras, UFJF, Cemig, Prefeitura de Juiz de Fora e ArcelorMittal; apoio de Leis Estadual e Federal de Incentivo à Cultura, Funalfa, Tribuna de Minas, TV Integração, Rumos Empresa Júnior de Turismo, Embaixada da Espanha no Brasil e Quilombo Comunicação.

Inscrições

Serão aceitas cerca de 700 inscrições. O evento, que tem o maior departamento de música antiga do país, oferece cursos de traverso, viola da gamba, violino, violoncelo, cravo, além de canto barroco. Entre as opções também estão os instrumentos modernos e as oficinas para crianças, como a de prática de orquestras. A formação de professores tem espaço com o curso de didática da musicalização infantil.
As inscrições podem ser feitas pelo o site do Pró-Música (www.promusica.org.br) até a véspera do evento, dependendo da disponibilidade de vagas. Os cem primeiros inscritos têm direito a alojamento gratuito e os 200 primeiros recebem alimentação (almoço e jantar) sem custo. A taxa é de R$ 120 por curso em pagamento com cheque nominal ao Centro Cultural Pró-Música ou depósito no Banco do Brasil (agência 0024-8, conta 6745-8). No caso do depósito, o comprovante deve ser remetido junto com a ficha de inscrição por e-mail (promusica@terra.com.br) ou fax (32) 3216-4787. Todas as informações, inclusive a ficha de inscrição, estão disponíveis no site www.promusica.org.br.

Prêmios do Festival

- Tombado como patrimônio imaterial pela Prefeitura de Juiz de Fora (2009)
- Trofeu Guarany do 9º Prêmio Carlos Gomes, concedido por Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo e Alice Carta Produções (2004)
- Ordem do Mérito Cultural, insígna concedida pela Casa Civil da Presidência da República/Ministério da Cultura (2002)
- Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade, na categoria preservação de bens móveis e imóveis, pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) do Ministério da Cultura (2000)
- Evento do calendário oficial Juiz de Fora, Prefeitura de Juiz de Fora (1997)

Acompanhe o Festival e todas as atividades do Pró-Música no Twitter – @promusicajf
Postar um comentário