quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Coral Paulistano apresenta obras de Camargo Guarnieri



O CORAL PAULISTANO dá continuidade a sua Temporada 2013 com uma apresentação no dia 3 de agosto, sábado, às 16h, na Sala do Conservatório da Praça das Artes, sob regência de seu maestro titular, Bruno Greco Facio. O grupo fará outras quatro apresentações até o final do ano no mesmo espaço, além de um circuito de concertos nos CEUS e equipamentos da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo.

Os ingressos custam R$ 30 e podem ser adquiridos pelo site Ingresso Rápido (www.ingressorapido.com.br), na bilheteria do Theatro Municipal e, no 2 horas antes do evento, na bilheteria da Praça das Artes.

O programa de agosto é inteiramente dedicado à obra de Camargo Guarnieri — que foi o primeiro regente do Coral Paulistano —, em homenagem ao compositor nos 20 anos de sua morte. Serão apresentadas 23 obras para coro misto a cappella, que mostram a evolução e a diversidade da escrita do compositor entre as décadas de 1930 e 1970: Canção, Irene no Céu, Macumba do Pai Zuzé, Sinhô Lau, Prenda Minha (moda do Rio Grande do Sul), Mestri Carlus: Catimbó, Nas Ondas da Praia (corinho à moda paulista), Egbe-gi, Ave Maria, Coisas deste Brasil, Coco do Major, Louvação ao Senhor, O saci pulou no meio, Trilha Sonora do Filme “Rebelião em Villa Rica”, Ave Maria, Rosalina, Não é Joe, não é Joana, Madrigal do Amor e Em Memória de Meu Pai.

“Entre outros objetivos que o Coral Paulistano se propôs este ano está a série de concerto na Sala do Conservatório. Com um repertório camerístico exemplar, o grupo oferecerá música vocal de qualidade em um novo espaço, para um público também novo”, declara John Neschling, diretor artístico do Theatro Municipal.

Camargo Guarnieri
Mozart Camargo Guarnieri nasceu em 1907, na cidade de Tietê, no estado de São Paulo. Filho de músico, iniciou seus estudos de teoria musical aos 10 anos. Já radicado em São Paulo, estudou piano, composição e direção de orquestra.
Começou a compor regularmente após a Semana de Arte Moderna, tornando-se discípulo de Mário de Andrade, que o contratou para o Departamento de Cultura de São Paulo em 1937. No ano seguinte, viajou à Europa pelo Conselho de Orientação Artística do Estado, onde aperfeeiçoou-se em composição e regência.

Em 1942 esteve nos EUA, onde regeu a Orquestra da Liga dos Compositores de Nova York e a Sinfônica de Boston. De 1955 a 1960 foi assessor técnico de assuntos musicais do Ministério da Educação e Cultura.

Compôs vasta obra em todos os gêneros, atingindo um número de mais de 700 peças. Grande apreciador da música de Brahms, devoto de Bach e admirador incondicional de Mozart, de tal maneira que deixou de assinar seu primeiro nome em respeito ao mestre. Idealizou o Festival de Campos do Jordão, dirigiu a Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo e a Orquestra Sinfônica da USP, além de membro fundador da Academia Brasileira de Música, da qual foi presidente.

Premiado em mais de 10 concursos nacionais e internacionais de composição, Camargo Guarnieri faleceu em janeiro de 1993, em São Paulo, logo após ter sido agraciado com o prêmio “Gabriela Mistral”, pela OEA (Washington), com o título de “Maior Compositor Contemporâneo das Três Américas”.

SERVIÇO
CORAL PAULISTANO
3 de agosto, às 16h
Local: Sala do Conservatório da Praça das Artes
Endereço: Av. São João, 281– Centro – São Paulo.
Próximo às estações Anhangabaú e República do Metrô
Ingressos: R$ 30 (com meia-entrada)
www.ingressorapido.com.br
Capacidade: 200 lugares / Duração: Aproximadamente 60 minutos
Classificação etária: A partir de 10 anos.

PROGRAMA
Obra completa para coro misto a capella de M. Camargo Guarnieri:

Canção (1930) / Irene no céu (1931) / Macumba do Pai Zuzé (1931) / Sinhô Lau (1932) / Prenda minha (moda do Rio Grande do Sul) (1932) / Mestri Carlus: catimbó (1932) / Nas ondas da praia (corinho a moda paulista) (1932) / Egbe-gi (1936) Ave Maria (1937) / Coisas deste Brasil (1937) / Coco do Major (1944) / Louvação ao Senhor (1944) / O saci pulou no meio (1952) / Trilha sonora do filme “Rebelião em Villa Rica” (1958) / Ave Maria (1962) / Rosalina (1970) / Não é Joe, não é Joana (1970) / Madrigal do Amor (1972) / Em memória de meu pai (1972).


 
Postar um comentário