segunda-feira, 26 de agosto de 2013

ELGAR, EDWARD WILLIAM (1857-1934)


(Sir) Edward William Elgar, (2 de junho de 1857 – 23 de fevereiro de 1934) foi um compositor britânico, nascido em Broadheath, Worcestershire.
Vida. Filho de um afinador de pianos, e rodeado de música e instrumentos musicais na loja do pai,na Worcester High Street, o jovem Edward foi um auto didata em música. No verão levava nos seus passeios música para estudar, iniciando uma forte ligação entre música e natureza.

Deixando a escola aos 15 anos, começou a trabalhar com um advogado local, mas após um ano enveredou por uma carreira musical, aprendendo piano e violino. Aos 22 anos tornou-se chefe de banda no Worcester and Country Lumnatic Asylum, perto de Worcester. Foi primeiro violino nos festivais de Worcester e Birmingham, e chegou a tocar a Sexta Sinfonia e o Stabat Mater de Antonin Dvorák, sob a direção do próprio compositor. Agradou-lhe especialmente, e influenciou-o bastante, o estilo de orquestração de Dvorák.

Aos 29, então professor, conheceu a sua futura mulher Caroline Alice Robers, poetisa e escritora. Casaram-se três anos depois contra a vontade da família dela, e o presente de Edward para Caroline foi a peça para violino e piano Salut d´amour. Os Elgars passaram a morar em Londres, centro da vida musical inglesa. Após algum tempo, constataram que não podiam subsistir apenas com o trabalho de compositor de Edward, e ele decidiu voltar a dar aulas.

Obras. Durante a década de 1890, século XIX, Elgar construiu uma sólida reputação como compositor, especialmente de obra vocal para os festivais musicais das Midlands. The Black Knight, King Olaf (1896), The Light of Life e Caractacus tiveram algum sucesso, o que lhe permitiu obter um lugar de editor musical.

Em 1899, aos 42 anos de idade, compôs o seu primeiro grande trabalho orquestral, as Variações Enigma, estreadas em Londres e dirigidas por Hans Richter. Recebendo reconhecimento do público, Elgar tornou-se o compositor britânico mais conhecido da época. Este trabalho intitula-se Variations on an Original Theme (Enigma). O “enigma” é que, embora haja treze variações do tema original, este nunca é ouvido. Em 1900 estreou em Birmingham a versão coral do poema do cardeal Newman The Dream of Gerntius. Apesar  da desastrosa estréia, a obra foi posteriormente reconhecida como uma das maiores de Elgar.

Elgar é principalmente conhecido pelas Marchas de Pompa e Circunstância (1901). Logo em seguida, foi-lhe pedido para adaptar a letra de A.C. Benson para uma  Ode à Coroação do Rei Eduardo VII de Inglaterra. O resultado foi Land of Hope and Glory.

Em 1902 e 1914 Elgar teve um sucesso estrondoso, visitou quatro vezes os E.U.A., e ganhou muito dinheiro com os direitos autorais de sua obra. Entre 1905 e 1908 foi Professor de Música na Universidade de Birmingham.

A sua Sinfonia Nº 1 (1908) foi tocada cem vezes no primeiro ano. Com a chegada da I Guerra Mundial, a música de Elgar ficou um pouco fora de moda, e depois de ficar viúvo em 1920 diminuiu seu ritmo de trabalho. Pouco antes de falecer compôs um elegíaco Concerto para Violoncelo. Talvez isto sugira que Alice Elgar era sua principal influência e impulsionadora do seu êxito.

Foi armado cavaleiro em 1904 e tornado baronete em 1931. Em 1932, trabalhou com o jovem talentoso violinista Yehudi Menuhim, na época com apenas 16 anos de idade, na gravação do seu Concerto para violino.

No fim da vida iniciou uma ópera e aceitou a proposta da BBC para compor uma Terceira Sinfonia. Esta encomenda foi persuadida pelo seu amigo George Bernard Shaw, a quem Elgar tinha dedicado a obra Seven Suíte. A sua doença terminal impediu-o de completá-la, mas os esboços que deixou permitiram a Anthony Payne fazê-lo, ao estilo do compositor. Morreu no dia 23 de fevereiro de 1934. No espaço de apenas dois meses morreram outros dois importantes compositores ingleses – Gustav Holst e Frederick Delius.

 

 
Postar um comentário