sexta-feira, 14 de setembro de 2012

A triste situação de nossos compositores



Em janeiro de 1992 encontrei o compositor Camargo Guarnieri no aeroporto de Curitiba. Desde 1983 estabelecemos uma relação de amizade, sendo que ele me convidou duas vezes para reger a sua orquestra (da USP) e foi assistir diversos concertos que eu regi em São Paulo. Este encontro no aeroporto foi muito triste. Tomamos o mesmo avião em direção a São Paulo (eu ia para Brasília) e pude presenciar a angustia de um compositor brasileiro que se via esquecido. O prestigio que ele teve nos anos 50 e 60 havia desaparecido e sua obra era pouco executada. Em diversos momentos ele chorou, e chegou a dizer que Deus tinha se esquecido de chama-lo. Ele não queria mais viver. Difícil acreditar que estava diante do maior compositor brasileiro vivo. Faleceu quase que precisamente um ano depois. Começo com a breve narrativa deste encontro para refletir um pouco sobre a musica e sobre os compositores de musica erudita de nosso país. Nada, creio eu, mais adequado do que falar disso no “dia da pátria”.
A situação de um compositor brasileiro de musica erudita não é algo fácil. Criadores extremamente competentes como Almeida Prado (1943-2010), que o próprio Guarnieri definia como seu mais talentoso aluno, são completamente desconhecidos do publico brasileiro. Julgo o caso Almeida Prado o exemplo mais drástico do desprezo de um importante compositor dentro de seu próprio país. Mas mesmo que tomemos o nosso maior compositor, Heitor Villa-Lobos, o desconhecimento é bem significativo. Ele foi autor de mais de 400 obras, e é lembrado hoje por menos de 10% de sua produção. O que mais me irrita é que países mais fortes econômica ou culturalmente impõem até a nós brasileiros, compositores muito menos interessantes. Um livro americano, rapidamente traduzido para o português, é um exemplo intrigante disso. O livro se chama “O Resto é Ruído” de Alex Ross ,uma história da música do século XX. Neste livro, muito rico de informações extremamente interessantes, de suas quase 700 paginas, são circunscritas a apenas 3 páginas para que seja brevemente citado algo de Villa-Lobos .No entanto ele necessita mais de 40 páginas integrais para falar do compositor americano Aaron Copland. Aliás, Villa-Lobos é o único compositor sul americano citado no livro. Para ele Alberto Ginastera e Camargo Guarnieri simplesmente não existiram, ou não foram importantes o suficiente para serem citados. Em resumo, para os americanos, e também para os europeus, a musica brasileira é, em geral, algo dispensável. Agora em tom de desabafo perguntaria para vocês: as sinfonias de Camargo Guarnieri são inferiores às Sinfonias de Roussel ou de Copland? O Noneto de Villa-Lobos é inferior e menos criativo e inovador do que as peças corais do americano Charles Ives ? Os Quartetos de Cordas de Mignone são inferiores aos quartetos de Samuel Barber? Então por que estas partituras não conseguem se impor de maneira definitiva, e não frequentam com assiduidade as grandes salas de concerto? A culpa é toda nossa. O Brasil não tem estrutura básica de educação para reconhecer seus próprios gênios. Além de não termos poder econômico para impor nossos bons criadores (e não me refiro só à música), o nosso povo não dá importância ao seu próprio patrimônio cultural . Vou exemplificar o que digo. No ano de 2004, a cidade de São Paulo comemorou 450 anos de fundação. Para o quarto centenário , 50 anos antes disso, em 1954 , foi encomendada a Villa-Lobos uma obra especialmente pensada para esta ocasião. Ele se utilizou inclusive de poemas do Padre José de Anchieta, o fundador da cidade, e mistura na obra sons indígenas e religiosos. É a sua Sinfonia N° 10, Sumé Pater Patrium, Ameríndia, para solistas grande coro e grande orquestra. Esta monumental partitura já foi gravada algumas vezes, sempre no exterior. Acredito que uma obra brasileira seria o mais indicado para um concerto que comemoraria os 450 anos da fundação de São Paulo, e que esta obra de Villa-Lobos seria mais apropriada ainda, exatos 50 anos depois. No final de 2003 conversei com um dos responsáveis pela programação comemorativa aos 450 anos da fundação de nossa maior cidade, e disse a ele da existência desta obra, e como seria oportuno executa-la nos festejos. Sua resposta (em outra língua, já que não se dignava a falar português) foi que “Villa-Lobos era um compositor subdesenvolvido para escrever sinfonias”. E no dia 25 de janeiro de 2004, 450 anos da fundação de São Paulo, foi executada a Missa Solemnis de Beethoven. Classifico isso de vergonhoso. Nada contra a genial Missa de Beethoven, mas, por exemplo, quando se comemorou a reunificação de Berlim, certamente não se executou o Te Deum de Berlioz ou a Missa de Bernstein. Executou-se a Nona sinfonia de Beethoven. Os alemães, como nação, não aceitariam algo diferente. Nós, infelizmente, aceitamos. E aplaudimos de pé.

Não sou de ter sentimentos nacionalistas, mas me sinto muito orgulhoso quando ouço páginas magistrais como os Choros de Câmera de Villa-Lobos, os Quartetos de Mignone, os Ponteios de Guarnieri ou as Cartas Celestes de Almeida Prado. Meu orgulho está em compreender o enorme esforço que meus compatriotas fizeram, com a certeza de que nunca seriam reconhecidos.
Osvaldo Colarusso
Postar um comentário