terça-feira, 4 de setembro de 2012

Bienal de São Paulo supera crise financeira com ‘constelação’ de artistas



Arthur Bispo do Rosário está no centro da 30ª edição, que será aberta na sexta-feira

No centro de tudo, está o mundo de Arthur Bispo do Rosário (1909-1989). Do artista brasileiro partem as “constelações” — obras que ocupam os 25 mil metros quadrados da Bienal de São Paulo. De Bispo também parece emanar o ar de inventário, a ideia de artistas como pequenos colecionadores de inventos e achados organizados em série. A 30ª edição, aberta nesta sexta-feira, em nada lembra a célebre Bienal do Vazio, que deixou um andar do pavilhão desocupado em 2008, e parece buscar caminho mais delicado que o da montagem quase labiríntica da Bienal de 2010.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/cultura/bienal-de-sao-paulo-supera-crise-financeira-com-constelacao-de-artistas-5987865#ixzz25VqFUL1g
© 1996 - 2012. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.
Agora, há muito, mas há paredes. Se em 2008 foram apenas 40 artistas e, em 2010, mais de 160, a curadoria do venezuelano Luis Pérez-Oramas selecionou 111 nomes. O orçamento também é menor: R$ 22,4 milhões (65% captados via Lei Rouanet), contra R$ 28,3 milhões em 2010. Esta edição foi ameaçada por uma crise financeira e administrativa da instituição — a Fundação Bienal teve até os recursos captados bloqueados por problemas em prestações de contas ao governo federal.
Depois dos “tempos turbulentos”, como definiu o curador, a Bienal tem 2.900 obras que preenchem o prédio e parecem orbitar em torno de Bispo do Rosário e, ao mesmo tempo, podem ser vistas individualmente: a montagem optou por cercar, com paredes de madeira pintadas de branco, boa parte dos trabalhos dos artistas. Assim, defende o curador, não há imposições.
— Queremos uma Bienal clara, não transparente; inteligente, mas não bombástica; cheia de vínculos a se construir, mas sem o maneirismo da confrontração pela confrontração — disse Oramas na manhã de ontem, em coletiva à imprensa.
O público tem acesso ao mesmo tempo à proposta de diálogos entre as obras e a miniexposições dos artistas, que, com espaços amplos e cercados, têm seus trabalhos mostrados com mais profundidade, como explica o curador. Assim, passa-se da sala de Rodrigo Braga, onde fotos e vídeos mostram a intensa relação do artista brasileiro com a natureza, à área mais aberta do jovem colombiano Ivan Argote, em que sofás velhos e cadeiras usadas servem de acento para o público ver e ouvir os vídeos em que o artista parece se portar como um voyeur da vida urbana.
‘Mapa conceitual’
Mas é do chamado “eixo transversal”, criado pelas obras de Bispo do Rosário, no primeiro andar, que seguem os “raios” em direção ao térreo e ao último andar da Bienal. Perto da entrada do pavilhão, por exemplo, a norte-americana Sheila Hicks cria sua arte têxtil com bordados que tanto são caros ao artista brasileiro homenageado nesta edição. Há até relações mais rápidas, como a que se faz entre as obras de Bispo numa parede e as de Michel Aubry na parede oposta. O artista francês costura tapeçarias, roupas e mobílias num ambiente vizinho ao de Bispo.
— Estabelecemos um mapa conceitual, partindo da premissa de que são as obras que criam os conceitos, e não o contrário. O processo de seleção foi longo e intenso, a partir de demoradas visitas aos artistas ou a seus representantes. Começamos a mapear então os incontáveis vínculos. O mito da obra única é um mito. Há sistemas que se articulam nas obras.
Nas articulações, surge a forte presença de artistas latino-americanos — cerca de 45% do total de selecionados para a mostra. E, embora o curador diga que “os artistas que estão na Bienal estão nela porque são bons”, ele próprio não nega a presença massiva dos latinos. Há trabalhos políticos, como o do venezuelano Eduardo Gil, que cria uma obra em movimento com os rostos de ditadores, ou de arquivo, como a grande parede de incontáveis retratos do mexicano Iñaki Bonillas.
— É claro que entendemos que a Bienal é na América Latina e, portanto, deve mostrar o que se produz aqui.
O último andar é quase tomado por fotografias, das 619 fotos feitas pelo alemão August Sander (1876-1964), numa espécie de catálogo do alemão típico do século XX, aos deliciosos retratos urbanos do holandês Hans Eijkelboom, que registra padrões (de roupas, estilos) nas ruas das metrópoles. Ambos parecem discutir algo frequente nesta Bienal já distante do vazio: a relação entre o indivíduo e o coletivo, ou, no idioma desta edição, a articulação entre as estrelas e as constelações.


Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/cultura/bienal-de-sao-paulo-supera-crise-financeira-com-constelacao-de-artistas-5987865#ixzz25Vq0qGKJ
© 1996 - 2012. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.
Postar um comentário