terça-feira, 4 de setembro de 2012

Festival Brasil-Alemanha é atração em setembro


                              
Parceria da UFRJ e da UniRio com a Escola Superior de Música de Karlsruhe evento traz ao Rio professores da instituição alemã que oferecerão cursos de aperfeiçoamento e realizarão concertos.
                  
Prometendo mais um ano de sucesso, a quinta edição do Festival Internacional de Música Brasil-Alemanha acontece no Rio de Janeiro entre os dias 23 e 30 de setembro. Criado em 2008, a iniciativa é o resultado de uma inédita parceria entre três instituições: a Escola Superior de Música de Karlsruhe (Hochschule für Musik de Karlsruhe), a Escola de Música da UFRJ e o Instituto Villa-Lobos da UniRio. Coordenado pelos professores Luiz Carlos Justi (UniRio), Michael Uhde (ESMK) e André Cardoso (UFRJ) o festival proporciona aperfeiçoamento musical para alunos e profissionais do Brasil e da América-Latina com professores da Alemanha sob os auspícios do Deutscher Akademischer Austausch Dienst (DAAD), órgão de intercâmbio acadêmico do governo alemão

O festival não se responsabilizará pelo transporte, hospedagem ou alimentação dos alunos. Dependendo do número de inscritos, e a critério de cada professor, poderá haver uma seleção dos alunos ativos e ouvintes, o que ocorrerá no primeiro dia do curso. Os que se apresentarem após a realização da seleção ficarão automaticamente na categoria de ouvintes.

Estão confirmadas as presenças de 11 professores da Escola Superior de Karlsruhe que oferecerão os seguintes cursos: flauta (Laura Ellen Paulu), clarineta (Eduard Brunner), fagote (David Tomàs-Realp), trompa (Will Sanders), trombone (Werner Schrietter), viola  (Katrin Melcher), violoncelo (Martin Ostertag), piano (Fany Solter e Michael Uhde), piano na música contemporânea (Markus Stange) e regência coral (Martin Schmidt).
Trajetória de Sucesso
Em sua primeira edição o festival se encerrou com um grande concerto coral-sinfônico na Sala Cecília Meireles onde foi executado pelo Coro e Orquestra Sinfônica da UFRJ o Réquiem Alemão de Brahms, tendo como solistas dois alunos de canto, um da UFRJ e outro de Karlsruhe, e a regência do maestro Martin Schmidt. Em 2009 Brahms marcou presença mais uma vez no concerto de encerramento com sua Sinfonia no 1 op 68. O programa teve ainda a participação como solista do professor Albrecht Breuninger, no concerto para violino de Mendelssohn, e a regência do maestro Jamil Maluf, um ex-bolsista do DAAD. Em 2010 o festival foi realizado em duas etapas. A primeira em março com os cursos de instrumentos de sopro e canto ocorreu na UFRJ. A segunda etapa em setembro foi realizada na Uni-Rio com os cursos de cordas e piano e o de regência coral na UFRJ. Em 2011 o festival voltou a ter apenas uma etapa.
Professores
David Tomàs-Realp (fagote) nasceu em Barcelona e desenvolveu sua formação musical no conservatorio de sua cidade. Posteriormente prosseguiu seus estudos no Conservatório de Winterthur, na Suiça, e na Hochschule für Musik de Stuttgart (Alemanha), com o professor  Sergio Azzolini com bolsa da Generalitat de Catalunya e da Fundación Humboldt. Foi professor de fagote da Hochschule für Künste Bremen, do Conservatório Superior de Música de Salamanca e do Conservatório Superior de Les Illes Balears. Em 1999 foi nomeado catedrático de fagote da Folkwang Hochschule de Essen (Alemanha). Foi fagotista da Orquestra Jovem Gustav-Mahler, com a qual realizou concertos nas principais salas da Europa, sob a batuta de regentes como Claudio Abbado, Neville Marriner e Riccardo Chailly. Com o conjunto de sopros Bläsersolisten der Deutschen Kammerphilarmonien, realizou concertos na Alemanha, Áustria, Suiça, Inglaterra e Turquía. Na Espanha atuou como fagotista principal da Orquestra Sinfônica de RTVE (Madrid) e da Orquesta de Castilla León. Na Alemanha foi fagote solista da Deutsche Kammerphilarmonie Bremen, e como músico convidado da Scottish Chamber Orchestra, da Orquestra da Rádio de Hannover, da Mahler Chamber Orchestra e da Orquestra de Câmara da Europa.

Eduard Brunner (clarineta) começou sua educação musical na Basiléia (Suíça), onde nasceu, continuando seus estudos no Conservatório de Paris, com Louis Cahuzac. Durante trinta anos ele foi primeiro clarinetista da Orquestra Sinfônica da Rádio Bávara, de Munique. É Professor de clarineta e música de câmara da Hochschule für Musik und Darstellende Kunst em Saarbrücken (Alemanha). Participa regularmente em festivais de música em Lockenhaus, Viena, Moscou, Varsóvia, Schleswig-Holstein, Berlim, entre outros. Possui uma extensa discografia de mais de 250 obras para clarineta. Gravou as obras completas de Carl Stamitz e Ludwig Spohr para clarineta. Estreou diversas obras de compositores como Helmut Lachenmann, Yun Isanf, Denisov Edison, Jean Françaix, Gia Kancheli e Krzysztof Meyer, entre outros.

Fany Solter (piano) estudou no Conservatório Brasileiro de Música e nos Seminários da Pró-Arte, com Homero Magalhães. Aperfeiçoou-se na Alemanha sob a orientação do pianista Caarl Seeman, diplomando-se pela Escola Superior de Música de Freiburg. Premiada nos concursos de Munique (Alemanha) e Vercelli (Itália), desenvolve intensa atividade como solista e camerista em diversos países da Europa. Foi solista da Orquestra Sinfônica de Praga, Orquestra Sinfônica Brasileira, Orquestra da Suisse Romande, Orquestra Sinfônica da Rádio da Baviera, da Israel Camerata de Jerusalém, da Orquestra Filarmônica Polonesa, com os regentes Kurt Masur, Eleazar de Carvalho, Lukas Foss, Avner Biron, Vaclav Smetacek, Werner Stiefel, Kurt Redel, Wojtek Rajsky entre outros. Exerce múltiplas atividades no setor cultural alemão. De 1984 até setembro de 2001, foi reitora da Universidade de Música de Karlsruhe (Alemanha), onde é catedrática de piano desde 1976. Foi a primeira mulher a ser eleita para esse cargo na Alemanha e até hoje a única estrangeira a ocupar tão alta posição. Participa de várias instituições estaduais e municipais, além de fundações como: o Conselho Cultural de Karlsruhe, o “Centro de Artes e Mídia” e a Fundação de Música do Banco do Estado de Baden-Württemberg. Além disso, é senadora honoris causa da Universidade Técnica de Karlsruhe e doutora honoris causa da Faculdade de Filosofia da Universidade Fredericiana de Karlsruhe. O governo brasileiro a condecorou com a “Medalha Villa-Lobos” pelos grandes serviços prestados à música brasileira na Europa. Recebeu do governo alemão a “Gran Cruz do Mérito”, a mais alta condecoração daquele país. Apresentou-se em recitais e masterclasses no Japão, Israel, Rússia, Polônia, Itália, Espanha, Argentina e Brasil. Nos últimos anos, foi membro do júri dos concursos internacionais de piano em Genebra, Bruxelas, Luxemburgo, Valência e Tóquio. Grava regularmente para as rádios alemãs de Stuttgart, Berlim e Colônia.

Katrin Melcher (viola) nasceu em Stuttgart e iniciou seus estudos ainda muito jovem incentivada por seu pai Wilhelm Melcher, primeiro violino do famoso Quarteto Melos. Estudou viola com Ida Bieler em Frankfurt e Düsseldorf. Posteriormente completou seus estudos na Guildhall School of Music, em Londres, com David Takeno. Desde 2000 integra a Orquestra da Rádio da SWR Baden-Baden. Ministra cursos e master-classes regularmente através do DAAD no Rio de Janeiro e Natal (Brasil).

Laura Ellen Paulu (flauta) estudou na Universidade de Illinois e fez mestrado na Escola de Música da Universidade de Yale, Nos Estados Unidos. Com bolsa da Fulbright Fellowship foi para a Alemanha onde estudou na Hochschule für Musik Karlsruhe, onde completou seus estudos com distinção. Foi premiada em concursos como o National Flute Association Young Artist e no New Yorker Olga Koussevitsky Competition, nos EUA. Na Alemanha foi primeira flautista do Collegium Bach e da Orquestra de Câmara de Stuttgart, com a qual fez tounés de concertos na Europa, EUA, Canadá, Brasil e Japão.

Markus Stange (piano na música contemporânea) nascido em 1955. Estudou piano com Jürgen Uhde em Stuttgart, Roland Keller em Lübeck, Frantisek Rauch e Valentina Kmenikowa em Prage, assim como Master Classes com Ditta Pasztory-Bartók e Aloys Kontarsky. Apresentou como solista, camerista e acompanhador em Lied em concertos na Europa, América do Norte, Ásia e África. Forma há quase vinte anos o Stuttgarter Klavierduo e desde 2005 juntamente com a pianista Yukilo Naito. É fundador e membro do conjunto “Piano & Percussão”. Tem atividade intensa como intérprete de música contemporânea. Inúmeras apresentações e trabalho conjunto com Karlheinz Stockhausen, György Ligeti, George Crumb, Peter Ötvös e inúmeros compositores da jovem geração. Tem participado de festivais internacionais e como solista, camerista e especialista em música contemporânea, em concertos com grupos das orquestras Filarmônica de Berlin, Radio-Sinfonieorchester Stuttgart e com Ensemble Recherche. Na Alemanha e no estrangeiro tem participado em producoes de programs de rádio e CD. Deu Master Classes nos Estados Unidos, Japão, Coréia do Sul, Canadá, Noruega, Itália, Ghana e Ucrânia, assim como na Academia Gnessin em Moscou. Markus Stange é professor de piano e música de câmara na Escola Superior de Música de Karlsruhe. Em 2008 organizou e diretor artístico da Semana Internacional Messiaen em Neustadt e do Festival “Messiaen 100” da Escola Superior de Música de Karlsruhe, Alemanha.

Martin Ostertag (violoncelo) nasceu em Lörrach, Alemanha, e após graduar-se pela Escola Superior de Música, estudou com Leo Koscielny em Karlsruhe e com Andre Navarra em Paris. Depois de diplomado se tornou primeiro violoncelista da Iraqui Symphony Orchestra. Em 1967, recebeu o 1 ° prêmio no Concurso International de Música em Viena e, em 1968, foi premiado no concurso "Konzerte Junger Küinstler" pelo Conselho Alemão de Música. Foi violoncelista principal da Orquestra Sinfônica de Düsseldorf, do Amati Ensemble Berlin, da Orquestra da Deutsche Oper Berlin e da SWF Symphony Orchestra Baden-Baden-Freiburg. Desde 1980 ele é como professor de violoncelo na Musikhochschule em Karlsruhe. Ministra cursos e master-classes na Argentina, Brasil, Canadá, Alemanha, Finlândia, Itália e Japão. Realizou inúmeras gravações para selos como Ariol, Aurophon, Bayer Records, CPO, Dabringhaus & Grimm, Deutche Grammophon, Marco Polo, Naxos e Sony.

Martin Schmidt (regência coral) realizou sua formação musical nos conservatórios superiores de Freiburg e Frankfurt, na Alemanha, onde estudou música sacra e regência coral e orquestral. Após uma breve atividade como músico de igreja em Mannheim foi nomeado professor do conservatório superior Folkwang de Essen. Desde 1981 é professor de regência coral na Escola Superior de Música de Karlsruhe. Como regente se destacou por seu trabalho como diretor do coro e da orquestra de câmara de Essen-Werden, fundados em 1979, e com os quais realizou concertos na Alemanha e em outros países da Europa. Atualmente Martin Schmidt é regente do Vokalensemble Karlsruhe e do Neuer Basler Kammerchor. Participa como professor de diversos festivais na Europa e na América. Na Espanha Martin Schmidt participa regularmente do Festival de Música Antiga de Daroca e atua como regente convidado do Coro da Câmera do Orfeó Català de Barcelona e do Coro de la Comunidad de Madrid.

Michael Uhde (piano) iniciou os estudos de música com seu pai, Jürgen Uhde, pianista e autor de livros sobre literatura para piano. Continuou seus estudos na Universidade de Freiburg (Alemanha) com Carl Seemann e posteriormente obteve uma bolsa para estudar com Bruno Canino em Milão. Como solista realizou concertos em toda a Europa, EUA e Brasil. Como camerista apresentou-se com os mais variados conjuntos europeus, entre eles “Schumann-Duo” com o violinista Antonio Pellegrini e com o grupo “Schumann-Ensemble”, e na música contemporânea com o “Ensemble 13 Baden-Baden” e “Ensemble Recherche” de Freiburg. Michael Uhde é atualmente professor catedrático de piano e vice-reitor da Universidade de Música de Karlsruhe. Ministra regularmente cursos de interpretação em vários conservatórios e universidades em cidades como Aarhus, Tromsö, Helsinke, Esbjerg, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, São Paulo, Curitiba e Goiania.

Werner Schrietter (trombone) estudou na Escola Superior de Música de Heidelberg-Mannheim com Paul Schreckenberger. Entre 1977 e 1979 foi trombonista da Filarmônica Jovem Alemã e, a partir de 1978 até 1993, trombonista solista da Orquestra Filarmônica do Estado da Renânia. Desde 1990 é membro da Orquestra do Festival de Bayreuth. Atuou como solistas em várias outras orquestras em cidades como Frankfurt, Mannheim e Mainz. Na música de câmara realizou diversas gravações para rádios da alemanha. É membro do quarteto de trombones "Trombonissimo" fundado em 1991 e com o qual realizou concertos na Alemanha, França e Áustria. É professor da Escola Superior de Música de Karlsruhe.

Will Sanders (trompa) nasceu em Venlo, Holanda. Estudou trompa em Maastricht com H.Crüts e E.Penzel finalizando os seus estudos com distinção. Enquanto estudante, foi membro da Orquestra de Jovem  na União Europeia. Em 1986 foi trompista co-principal na Orquestra Nacional de Opera de Mannheim. Dois anos depois foi solista da Orquestra Sinfônica de Baden/Baden - Freiburg. Em 1990 passou a ocupar a mesma posição na Orquestra Sinfônica da Rádio de Baviera. De 1992 a 1997 foi solista do Festival de Bayreuth onde tocou a Ópera Siegfried. Will Sanders colaborou com as principais orquestras alemãs dirigidas pelos mais conceituados maestros, tendo sido músico convidado da Orquestra Filarmônica de Viena. Atuou sob a direção de grandes nomes da regência como Claudio Abbado, Lorin Maazel, Georg Solti, Marins Janssons, James Levine e Daniel Baremboin, entre outros. Atualmente é professor de trompa na Escola Superior de Música de Karlsruhe. Para além do trabalho orquestral tem-se apresentado internacionalmente como solista, gravou diversos CDs, gravações para a radio e colaborou com inúmeros ensembles de câmara, tais como German Wind Soloists, Linos Ensemble, o Mullova Ensemble e German Brass. É o fundador do Ensemble Alemão de trompas. Desde 1995 lecciona no conservatório de Maastricht. Em 1999 começou a ministrar as disciplinas de trompa e música de câmara como professor catedrático da Escola Superior de música de  Karlsruhe. Will Sanders orientou masterclasses nos Estados Unidos, Brasil, Japão, Austrália, Coreia, Suiça e em vários países da Europa. Muitos dos seus alunos são músicos de grupos de câmara e orquestras conceituadas.

Inscrições

As inscrições, gratuitas, podem ser feitas entre os dias 02 e 21 de setembro. Os interessados deverão preencher a ficha de inscrição (padrão Word) e a enviá-la (preferencialmente em formato PDF) para o correio eletrônico festbral@musica.ufrj.br.


Francisco Conte
Postar um comentário