sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Academia Brasileira de Letras elege Antônio Torres como novo imortal


Escritor baiano vai ocupar cadeira 23, vaga após a morte de Luiz Paulo Horta
Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/cultura/academia-brasileira-de-letras-elege-antonio-torres-como-novo-imortal-10714679#ixzz2k0HCHjGx
© 1996 - 2013. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.
RIO - A Academia Brasileira de Letras elegeu, na tarde desta quinta-feira, no Palácio Trianon, o romancista baiano Antônio Torres como o mais novo imortal, para ocupar a cadeira 23, vaga desde agosto, com a morte do jornalista Luiz Paulo Horta. Antônio Torres, que já havia se candidatado outras três vezes, é o primeiro romancista eleito pela instituição em dez anos.

Torres foi eleito com 34 dos 39 votos possíveis, dos quais 2 foram em branco. A eleição contou com 20 imortais presentes, em sessão presidida pela acadêmica Ana Maria Machado. Dezesseis imortais votaram por carta e três se abstiveram.
- Fizeram sorrir uma velha criança! - disse Antônio Torres após o anúncio do resultado. - Me sinto feliz por sentar na cadeira que foi de Jorge Amado, um dos escritores que mais me apoiaram no começo da carreira, e também de Machado de Assis, de quem sempre fui leitor. Estou em estado de graça, isso é resultado de uma longa estrada.
Desde que a vaga foi aberta, em agosto, os boatos já diziam que, dessa vez, a ABL pretendia eleger um ficcionista. Nas últimas duas eleições, por exemplo, foram escolhidos a jornalista e militante social Rosiska Darcy de Oliveira e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.
Os últimos escritores de ficção a entrar para a ABL, Ana Maria Machado e Moacyr Scliar, foram eleitos em 2003. A última vez em que Torres se candidatou a uma vaga de imortal foi em 2011, justamente para a cadeira vaga depois da morte de Scliar. Naquele ano, porém, o escolhido pelos imortais foi o jornalista Merval Pereira, colunista do GLOBO.
- Sou leitora de Antônio Torres há muito tempo, e amiga dele. Estou muito feliz - disse a presidente da casa Ana Maria Machado. - (O fato de não ter entrado nenhum romancista nos últimos anos) É um sinal de que não existem romancistas preponderantemente romancistas. Os romancistas hoje são ensaístas, jornalistas, tradutores.

O romancista baiano nasceu em um povoado chamado Junco, no interior da Bahia. Trabalhou como repórter no começo da carreira, em Salvador e São Paulo, e publicou seu primeiro romance, “Um cão uivando para a lua”, aos 32 anos. Em 1976, publicou o livro que é considerado sua obra-prima: “Essa terra”, história com elementos autobiográficos sobre a imigração nordestina para o Sul e Sudeste.
O romance foi traduzido para o francês em 1984, ajudando a divulgar a obra de Torres internacionalmente. Hoje, ele tem livros publicados em Cuba, Argentina, França, Alemanha e Estados Unidos, entre outros países. Em 1998, foi condecorado pelo governo francês com a ordem “Chevalier des arts e des lettres”, por suas obras publicadas no país. Torres já ganhou o prêmio Machado de Assis (2000) e o Zaffari e Bourbon (2001). Além de 11 romances, publicou um livro de contos, um livro infantil e um de crônicas, perfis e memórias. Sua obra é editada pela Record.
A cadeira 23 foi apontada pelo imortal Antonio Carlos Secchin com detentora de uma "tradição narrativa", por ter pertencido primeiro a Machado de Assis — um dos fundadores da instituição. Mais tarde, seria ocupada também por Jorge Amado e Zélia Gattai. O patrono da cadeira é José de Alencar.


Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/cultura/academia-brasileira-de-letras-elege-antonio-torres-como-novo-imortal-10714679#ixzz2k0H2Ec44

© 1996 - 2013. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.
Postar um comentário