segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Califórnia aprova lei de inserção universitária para imigrantes ilegais

Stanford University, Palo Alto, Califonia, USA.
Estudantes que cursaram ensino secundário no estado podem ter ajuda. Em 2010, bolsas atenderam mais de 370 mil pobres, com US$ 4.500.
O governador da Califórnia, Jerry Brown, firmou neste sábado (8) a "Lei dos Sonhos" (Dream Act) do estado, que converte os imigrantes ilegais em possíveis beneficiários do dinheiro estatal para financiar seus estudos em universidades americanas.
Graças a essa lei, os imigrantes ilegais que atenderam à escola secundária na Califórnia podem receber a ajuda "Cal-Grant", que no ano passado repartiu bolsas para mais de 370 mil estudantes pobres, proporcionando uma média de US$ 4.500 por assistência.
"Ir à universidade é um sonho que promove a motivação intelectual e o pensamento criativo. O Dream Act irá beneficiar a todos, proporcionando aos melhores estudantes uma oportunidade para melhorar sua vida e a de todos", disse Brown.
Funcionários californianos estimam que cerca de 2.500 estudantes estarão qualificados para receber a bolsa com a entrada em vigor da nova legislação, denominada AB 131, que terá um custo de US$ 14,5 milhões, conforme comunicou o gabinete de Brown.
A totalidade do programa "Cal Grant" está subsidiada com US$ 1,4 bilhão, o que quer dizer que apenas 1% de todo o dinheiro do programa será gasto na AB 131 quando a lei entrar em vigor, disse o estado por meio de comunicado.
A lei foi aprovada pelo Congresso de Califórnia no dia 2 de setembro e estava à espera da aprovação do governador. Brown, um experiente democrata, tornou-se governador do estado em janeiro, quando sucedeu Arnold Schwarzenegger, que havia vetado essa lei.
A aprovação da lei no estado liberal da Califórnia, que tem um grande número de população imigrante, pode ser vista como um sinal para os legisladores de Washington sobre a controvertida Lei de Desenvolvimento, Ajuda e Educação dos Menores Estrangeiros.
A lei federal "Dream" poderá proporcionar uma permissão de residência de seis anos aos graduados na escola secundária que tenham chegado aos Estados Unidos de maneira ilegal, além de permitir que eles paguem taxas universitárias muito mais baratas ou obtenham bolsas com o objetivo de financiar seus estudos.
Essa lei poderia beneficiar 55 mil filhos de imigrantes que foram levados de forma ilegal aos Estados Unidos e se formaram no sistema público de educação, mas não têm condições de arcar com as elevadas taxas universitárias.
Postar um comentário