sexta-feira, 11 de maio de 2012

Festival Sónar começa hoje em SP


Amanhã é dia de Sónar, o festival de escalação mais ousada a ser exportado para o Brasil desde que a recente febre de eventos do tipo começou, em 2010. No line-up, de tudo um pouco. Indie, electro e hip-hop. House, dubstep e soul: uma feirinha de nichos guiada pela curadoria eletrônica, em que se traça um fiel panorama de cenas e tendências contemporâneas.

Será a segunda edição do festival espanhol em solo brasileiro (a primeira foi em 2004), embora a proposta tenha se distanciado, inevitavelmente, daquela sugerida pelo último Sónar. Na época, música eletrônica ainda era coisa de clubber, e afluentes clássicos do gênero, como techno, house ou drum n' bass, viam o fim de suas fases puras, com mutações ainda divididas nitidamente em subgêneros (hard techno, deep house, jazzstep, etc.) Menos de uma década depois, o cenário mudou radicalmente. Entrelaçados pela interconectividade, gêneros eletrônicos desabaram sobre gêneros segregados, espalhando DNA, acomodando características díspares e infiltrando vertentes que já foram distantes, como o indie rock, ou o hip-hop.

O termo "música eletrônica" tornou-se inútil, já que pode ser usado para descrever qualquer cena. Surgiram produtores como Flying Lotus, Rustie e James Blake, que atuam em fronteiras indefinidas entre jazz, soul, hip-hop e dance, fazendo música eletrônica de vanguarda indissociável do mainstream, assim como surgiram indies do naipe de Little Dragon, que flertam com a música de pista. Todos esses nomes tocam no festival deste fim de semana, com o histórico Kraftwerk (com show 3D), o popular Cee Lo Green e o pulsante Justice - dignos chamarizes do festival.
Postar um comentário