segunda-feira, 12 de março de 2012

Projeto Mùsica no Museu festeja 15 anos (RJ)

 Há 15 anos, o violonista Turibio Santos apostou num projeto que nascia bem pequeno: o Música no Museu (MM). Com o intuito de dar espaço para jovens músicos, além de promover concertos de grandes nomes da música clássica, a iniciativa fez das salas de museus da cidade seus palcos. Assim como tocou os primeiros acordes do MM em 1997, Turibio - que este ano comemora 50 anos de carreira - é o primeiro instrumentista a tocar na série de concertos especiais de 15 anos do projeto, que se inicia hoje, às 12h30m, no Teatro do Sesi - dia em que o violonista completa 69 anos.

- É de fato um concerto muito especial - comemora Turibio. - Quando o Sergio >ita<(da Costa e Silva, diretor do MM) falou do projeto, quis dar uma força, porque é muito importante este espaço para jovens talentos que, muitas vezes, não têm onde tocar. É uma ideia brilhante que nunca esmoreceu.
A participação de Turibio nos 15 anos do Música no Museu não tem apenas a ver com sua história com o projeto. Para celebrar o aniversário do evento, Sergio da Costa e Silva fez uma enquete com os frequentadores assíduos, para saber quais os dez concertos mais marcantes a que assistiram desde 1997. Segundo ele, de um mailing de cerca de cem mil pessoas, seis mil responderam. Os mais votados entraram na série especial que acontece ao longo do ano, sempre no Teatro do Sesi.

- Dentre os mais votados, escolhi pianistas, sopros, cordas, voz e música antiga, para ter variedade. Se seguisse à risca a ordem, só teria piano - diz Costa e Silva.
Além de Turibio, estão na série os pianistas João Carlos Assis Brasil, Artur Moreira Lima e Francis Hime; os violonistas Yamandu Costa e Fabio Zanon; o cravista Roberto de Regina; a Orquestra Brasileira de Harpas; a cantora Ithamara Koorax; e a dupla Mauro Senise (sax) e Gilson Peranzetta (piano). As apresentações ainda não têm data definida.

O pianista Nelson Freire entra como hors-concours. Seu recital será no dia 30 de junho, no Teatro Municipal de São João Del Rey, em Minas Gerais. O lugar foi escolhido por ter sido o teatro em que o artista fez seu primeiro concerto público há 50 anos, aos 6 anos.
A perseverança do Música no Museu, que começou com concertos semanais no Museu Nacional de Belas Artes e há quatro anos faz apresentações diárias, em todo o país (em museus, teatros, palácios e igrejas), chama a atenção num momento em que a cidade permanece sem seus tradicionais palcos para a música clássica. Com o fechamento do Teatro Municipal até maio, a Sala Cecília Meireles fechada para reforma e a Cidade das Artes sem data de inauguração, o projeto de Costa e Silva se mantém firme dentro de sua proposta e espaço.
Postar um comentário