quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Orquestra Sinfônica Brasileira comemora um ano de pacificação do Alemão (RJ)


Centenas de moradores do Complexo do Alemão, na Zona Norte do Rio, viveram na noite de sábado (10/12) um momento único e inimaginável há um ano: assistiram a uma apresentação da Orquestra Sinfônica Brasileira (OSB) na própria comunidade. Mais precisamente, no campo do Sargento, no final da Rua Canitar, perto do Morro da Fazendinha. O Complexo do Alemão foi escolhido como palco da 39ª edição do projeto Aquarius para celebrar um ano da pacificação de um dos lugares mais violentos do Rio de Janeiro.
O governador Sérgio Cabral, que prestigiou o espetáculo do projeto Aquarius, disse, ao chegar, que a paz somente será consolidada com a ajuda de todos os setores da sociedade.
- É uma conquista fantástica de um novo momento que o subúrbio do Rio de Janeiro vive. Esta região gigantesca, com milhares de moradores dos complexos da Penha e do Alemão podendo respirar o ar da liberdade e o direito de ir e vir, ter o Projeto Aquarius aqui, com a 9ª Sinfonia de Beethoven, é uma delicadeza enorme às vésperas do Natal. É muito emocionante - disse o governador, ressaltando a importância da cultura para o processo de pacificação das comunidades fluminenses.
Momentos de magia e pura emoção encantaram quem enfrentou o mau tempo para ver e ouvir obras de dois dos maiores compositores clássicos de todos os tempos, como os alemães Johann Sebastian Bach e Ludwig van Beethoven, provando que música sofisticada e de alta qualidade está ao alcance de todos e sem distinção de classe social. Aos acordes finais do quarto e último movimento da principal obra da programação da noite, a Nona Sinfonia de Beethoven, o público aplaudiu entusiasticamente de pé.
– Amei. Muito bom, maravilhoso! Adorei! Foi a melhor coisa que aconteceu aqui – exultou a dona de casa, Lindalva Maria da Silva Ferreira, moradora da Fazendinha, na saída, ainda eufórica com a explosão de sons e efeitos visuais que jamais imaginou assistir tão próximo de sua casa.
Uma iniciativa que os adolescentes Milena e Lucas Santos, encantados com a música de Beethoven, gostariam de ver repetir em sua comunidade. A dona de casa Janete Pereira, nascida e criada no Complexo do Alemão, parabenizou a iniciativa e pediu novas atrações deste tipo para valorizar quem vive na região e tem poucas oportunidades de apreciar espetáculos de alto nível como o proporcionado pela orquestra.
– O Complexo do Alemão agora está de parabéns. Nunca imaginei ver uma coisa tão bonita na minha comunidade! – orgulhou-se dona Janete, que estava acompanhada de familiares.
Assim como dona Janete, centenas de moradores deixaram suas casas e enfrentaram a chuva fina que caía para ver de perto o show. Muita gente também acompanhou o espetáculo das janelas e lajes das residências do entorno.
A ideia de trazer pela primeira vez a OSB a uma comunidade carente, segundo o diretor artístico Fernando Bicudo, era uma forma de a orquestra e o projeto Aquarius contribuírem para a consolidação do processo de pacificação implantado pelo Governo do Estado num lugar que por anos foi símbolo de violência. Era também, acrescentou, uma homenagem à central técnica que o Theatro Municipal mantém em Inhaúma, um bairro vizinho ao Complexo do Alemão, responsável pela confecção de cenários e figurinos das montagens do principal palco da música sinfônica do Brasil.
– Tenho uma gratidão muito grande com esta comunidade que possui grandes artesões. Aqui nos sentimos em casa – elogiou Bicudo.
Um palco de 70 metros de extensão foi montado na comunidade. A partir das 18h, o evento teve apresentações circenses, com malabaristas do Grupo Cultural AfroReggae. Sob uma fina garoa, a OSB começou a programação da noite executando o Prelúdio, da ópera Carmen, de Bizet. Com apresentação da ex-modelo e atriz Fernanda Lima, a orquestra tocou em seguida a música Jesus Alegria dos Homens, de Johann Sebastian Bach. Depois da participação do Coro das Crianças, uma das iniciativas da orquestra para incentivar a formação de novos talentos, no hino natalino Adeste Fideles, a orquestra, conduzida pelo maestro Roberto Minczuck e com o apoio do coro sinfônico do Rio de Janeiro, executou a principal obra da noite, a Nona Sinfonia de Beethoven.
Antes do quarto e último movimento da sinfonia, o maestro Roberto Minczuck agradeceu a presença dos moradores e justificou a escolha da Nona Sinfonia de Beethoven para o espetáculo dizendo que a música foi considerada em pesquisa mundial como a mais importante já composta.
– Não por ser uma música linda, mas por sua mensagem de amor, de paz e de fraternidade entre os homens – ressaltou o maestro.
O projeto Aquarius apresenta, em 2011, uma novidade: o projeto leva ao público as vozes do Coro Sinfônico do Rio de Janeiro e dos solistas Nancy Fabiola Herrera, (mezzo-soprano), Ludmilla Bauerfeldt (soprano), Atalla Ayan (tenor) e Lício Bruno (baixo-barítono). Com o propósito de democratizar a cultura por meio da música ao ar livre, o projeto, desde o primeiro concerto em 1972, já fez 283 apresentações.
Por sua vez, a OSB, o mais tradicional conjunto sinfônico do país, com sete décadas de trajetória ininterrupta, tem como seus principais compromissos a formação de novos públicos para a música sinfônica e a divulgação de um repertório diversificado, missões alcançadas por meio dos cerca de quatro mil concertos realizados desde a sua fundação. Ela visa democratizar a cultura por meio da música ao ar livre. Desde o primeiro concerto em 1972, o projeto já fez 283 apresentações.
Além de Cabral, que estava acompanhado da primeira-dama Adriana Ancelmo Cabral, compareceram o vice-governador e coordenador executivo de Infraestrutura, Luiz Fernando Pezão, com a esposa, e os secretários de Segurança, José Mariano Beltrame, e de Cultura, Adriana Rattes.
Postar um comentário