terça-feira, 23 de agosto de 2011

O Último Romântico.

Maestrina Lígia Amadio

Estava tomando um café na Sala São Paulo no dia 20/08/2011, a Orquestra Sinfônica da Universidade de São Paulo apresentaria naquela noite um programa exótico.  Ao meu lado sentam duas senhoras. Perguntei a elas se conheciam ou gostavam de Rachamaninoff ou Marcos Padilha. Levei um susto, elas nem sequer sabiam o que constava no programa. Estavam lá para tricotar conversa , exibir as novas bolsas e acompanhar os maridos diletantes de música clássica. Assim é a vida, todos são diferentes.
    No primeiro tempo tivemos uma obra do conterrâneo Marcos Padilha, Sinfonia Concertante "Das Vozes Esquecidas" para fagote, Oboé , cordas e percussão, opus 20. Um aperitivo diferente. Segundo o compositor é um manifesto contra toda e qualquer forma de exclusão . “A peça faz referências aos soldados convocados para uma guerra injusta, aos excluídos pela opção sexual, pela situação política e, ironicamente inclui o compositor de música erudita, que de certa forma é mais um excluído no Brasil”. Exclusão é tema recorrente e está na moda. Tantas exclusões geraram uma música lenta, tensa e enigmática. Abusa da percussão, as intervenções dos solistas são curtas e incisivas. Música sem melodia, sem um grande tema central. Os aplausos do público foram calorosos, ninguém se levantou, nem a presença do compositor fez a galera ficar de pé e aplaudir. Fato raro entre o público brasileiro.
   O prato principal era a Sinfionia número 2 de Sergei Rachmaninoff. Considerado o último grande compositor romântico russo, grande parte de sua obra foi composta antes da revolução russa, 1917. Sua carreira de compositor começou bem, a ópera Aleko teve boa recepção do público , até Tchaikovsky elogiou. Quando tentou a sinfonia a coisa desandou. Sua sinfonia número um gerou críticas ferozes, dizem as más línguas que o regente Glazunov tomou umas vodcas a mais no dia da apresentação e deu tudo errado.
  Anos depois voltou a composição, grande parte da obra é dedicada ao piano. Rachmaninoff teve coragem de compor mais duas sinfonias. A segunda apresentada pela OSUSP é a mais conhecida do grande público. Quatro grandes e longos movimentos. O primeiro com tema trágico e melodias fluentes. A OSUSP começou delicada com suas cordas precisas. O segundo movimento é um Allegro Molto, apesar do tema angustiante a orquestra conseguiu , na execução, o brilho ideal dessa peça. O Adagio do terceiro movimento tem uma intimidade nas cordas, mais uma vez a orquestra da maestrina Ligia Amadio teve uma boa performance. O quarto movimento , com seu final explosivo encerrou com grandiosidade a apresentação. Um desequilíbrio, tende pro lado dos metais, sempre eles tem mais força na apresentação da OSUSP, muitas vezes encobrindo as madeiras e as cordas.
   O público aplaudiu de pé. As senhoras que estavam tirando uma pestana , acordaram, se empolgaram com o final majestoso e soltaram a mão. A OSUSP esta se destacando por apresentar programas de compositores brasileiros e outros que são pouco apresentados por estas bandas. Grande orquestra nas mãos de uma grande maestrina. Bravo OSUSP.  
Ali Hassan Ayache
Postar um comentário