quinta-feira, 5 de setembro de 2013

Violoncelista transforma 132 anos de aquecimento global em música


 
Qual é o som das mudanças climáticas? A pergunta pode parecer estranha, mas tem uma resposta surpreendente e – com o perdão do trocadilho – bastante sonora.

Aliás, clima é um dos assuntos que você vai ouvir falar muuuito nos próximos meses. Isso porque o novo relatório do IPCC – Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas – que dirá em que pé estamos em relação às mudanças do clima – começará a ser divulgado em setembro.
Enquanto cientistas e ativistas tentam, muitas vezes sem sucesso, chamar a atenção das pessoas com gráficos e estatísticas para o aquecimento global, o estudante Daniel Crawford, da Universidade de Minnesota, criou uma nova forma de visualizar o problema: utilizou o som como medida de temperatura.
Para isso, o violoncelista converteu registros da temperatura global, coletados de 1880 a 2012, em notas musicais, por meio de uma abordagem chamada de sonorização de dados. Ou seja, ele transformou gráficos da NASA, que mostram alterações anuais de temperatura, em música. Bacana, né? Agora, em vez de apenas olhar para dados, de acordo com Crawford, as pessoas poderão “ouvir” as mudanças climáticas.
Na composição, batizada de “Uma Música do Nosso Planeta em Aquecimento”, cada nota representa um ano. Os dados de temperatura foram mapeados em três oitavas, com o ano mais frio registrado para a nota mais grave e o ano mais quente a mais aguda. Cada meio tom ascendente equivale a 0,03°C de aquecimento.
A mensagem que aparece ao final do vídeo é clara e incisiva: “O planeta vai aquecer mais 1,8°C até o final do século. Este aquecimento adicional deverá produzir uma série de notas além do alcance do ouvido humano”.
Assista ao vídeo abaixo para saber como as mudanças globais podem ser expressadas pela música e repare como as notas mais agudas têm presença mais marcante nos últimos anos:



 
Postar um comentário