segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Crítica sobre “NATUREZA” - ESPETÁCULO MULTIMÍDIA.

O espetáculo Natureza  é uma mistura diversas artes , funde dança contemporânea, canto, musica coral e orquestral com filmagens.  Apresentado no último dia 03/11/2011 no SESC Pinheiros/SP , é uma produção do Brasil e do Principado de Mônaco. Chiqueza Pura!  Natureza resgata uma tradição perdida nessa cidade, de se fazer dança com música ao vivo. Gravações tem imperado soberanas nas apresentações de dança na terra da garoa, Rodrigo Vitta parece não concordar com isso. Acertou caro maestro.
   A coreografia de Ramon Reis, solista do Les Ballets de Monte Carlo segue a tendência européia do século XXI. Passos curtos, dançarinos que se arrastam no chão , correm pelo palco geralmente em grupos . A coreografia é moderna, interessante e se adapta a concepção. Lembra o mais ousado grupo europeu de balé, o Netherlands Ballet Theater. A uniformidade nos quatro atos torna os movimentos muitas vezes repetitivos. O dez bailarinos mostraram leveza ou força quando necessários, dançaram com primazia técnica , embora algumas vezes sem coordenação  nos números em grupo.
   Os figurinos de Ursula Felix remetem a seres da floresta, estranhos e enigmáticos. Frágeis em sua essência, uma interessante relação homem-natureza. O cenário fixo no fundo do palco , onde aparecem e desaparecem e refletem os seres florestais é idéia simples e funcional.
   A música, tocada ao vivo, composta por Flávio Romano com arranjos de Rodrigo Vitta encaixa na concepção do enredo. Não é tarefa fácil compor música para espetáculo de dança. As canções, ora lembram as grandes sinfonias românticas do século XIX, algumas vezes nos remetem ao exótico das arábias e da Espanha , ora nos trazem ao século XXI. Música da mais alta qualidade, um fino!
    Um dos pontos altos do espetáculo foram as intervenções do coral Madrigal Voz Ativa , vozes em equilíbrio e harmonizadas, encheram o teatro com lirismo. Muitos desses rapazes e garotas podem cantar como coristas nos grandes teatros do Brasil A regência de Rodrigo Vitta tem sonoridade forte e potente. As salas do SESC não tem acústica ideal, por isso a necessidade de equipamentos de som para harmonizar o ambiente. O maestro conseguiu transferir interessante sonoridade a platéia, com volume e força na medida certa . Desconheço a partitura, nunca ouvi a música do espetáculo Natureza. Posso afirmar que a voz do soprano Taís Bandeira esteve irregular, ora elevada ora pequena. Seu timbre é escuro, muitas vezes forçado e centrado nas regiões médias. Se é isso o que consta na partitura o soprano fez sua tarefa, mas que ficou estranho , ficou.
   Espetáculo de dança multimídia , com qualidade elevada e no mesmo nível que o Theatro Municipal de São Paulo e a São Paulo Cia de Dança apresentam em seus palcos. Só não entendo o por quê de ser uma única e mísera apresentação . O espetáculo Natureza  procura conscientizar o homem em relação ao meio ambiente em que vive, essa ideia já é batida. Natureza através da dança e da música toca na alma das pessoas, isso é de suma importância. Merece mais apresentações , e se ocorrer estarei lá com certeza.
Ali Hassan Ayache.   
Postar um comentário