segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Feira Nacional de Artesanato em BH reúne mais de 8 mil artesãos

Estimativa é que as vendas dos produtos movimentem R$ 76 milhões
Não há invasão de produtos importados da grande indústria internacional que resista a personalidade das peças feitas a mão, onde grande sedução do negócio é exatamente o contrário, a produção em pequena escala e original. Do colorido trazido pelos índios pataxós ao presépio de miniaturas, a Feira Nacional de Artesanato, que acontece até domingo no Expominas, deve movimentar perto de R$ 76 milhões e é uma festa para consumidores que já adiantam as compras do Natal. Nos corredores que têm de bordados a instrumentos de madeira, os presentes podem custar de R$ 5 até alguns milhares de reais e surpreender, independente do preço final.
Organizada pelo Centro Cape Mãos de Minas, a feira nacional registra crescimento de 5% ao ano e, segundo a presidente da entidade, Tânia Machado, este ano são mais de 8 mil artesãos, sendo 5% deles estrangeiros, expondo mais de 50 mil itens. Marcelo Andrade é um deles. Ele começou a esculpir leões de madeira aos 8 anos. Agora, a novidade são as galinhas caipiras, de madeira e pintadas, que custam de R$ 25 a R$ 100. “A peça mais cara que trouxe custava R$ 3 mil, mas já foi vendida”, diz. Embalado pelo crescimento do artesanato Marcelo começou a exportar há 4 anos e no período quadriplicou seu volume de vendas fazendo negócios com a Irlanda do Norte, Alemanha, Espanha e Inglaterra.
A garantia de ver sempre novidades é uma das atrações da feira. “Cerca de 60% dos visitantes já estiveram aqui nas edições passadas e por isso os artesão sabem que têm sempre que mostrar novidades.” As quatro irmãs, Avany e Fátima Botelho – artesãs de Campinas – e as aposentadas Inês de Brasília e Beatriz de Paracatu, no Noroeste de Minas, se encontraram em Belo Horizonte para conferir o artesanato da feira e adiantar as compras do Natal. Segundo Fátima, seu orçamento foi reservado para comprar uma peça “bem original”, provavelmente um santo. Avany, que costuma visitar feiras em todo o mundo, aprovou o artesanato reunido em Belo Horizonte. “A qualidade é internacional e os preços estão bons”, elogiou ela que, em sua primeira hora no espaço, já havia desembolsado R$ 200.
A índia Antônia Aragão expõe de instrumentos musicais que podem impressionar as crianças soando como um pássaro a enfeites e faz parte dos artesãos que recebem elogios da relações públicas Cristiane Santos e da comerciária Ieda Campeiro. “Apesar do estacionamento aqui ser caro vale a pena vir porque os produtos são diferentes e maravilhosos”. Juntas, as duas estimavam gastar R$ 300 durante a tarde de compras.
Com uma lista de 15 presentes para comprar, a comerciante Suely Tavares não resistiu à guirlanda de Sirlene Raimundo, artista que veio do vale do Jequitinhonha para Ribeirão das Neves. “A guirlanda é feita com madeira e nozes. É linda e a cara do meu comércio de frutas natalinas”, diz Suely, que pagou pelo enfeite R$ 65.
Preferência
 “São Francisco: o rio e o santo” é o tema e o destaque da feira deste ano. Artista convidado, de Petrolina, Pernambuco, Roque da Rocha, conhecido como Roque Santeiro, enquanto esculpe para os visitantes sua mais nova peça, confirma uma estatística interessante que coloca o protetor da natureza e dos animais entre os mais queridos do Brasil. O santo domina cerca de 50% de suas encomendas. “Aqui já vendi todos que trouxe”, comenta ele que esgotou os produtos variando entre R$ 1,5 mil e R$ 3 mil. “Entre os santos, São Francisco é o mais replicado pelo artesanato brasileiro”, aponta Tânia Machado.
Liquidações no rastro do Black Friday
O dia mais esperado do ano para o comércio norte-americano chegou. O Black Friday – maior liquidação nacional, realizada um dia depois do feriado de Ação de Graças – acontece hoje e promete levar às lojas milhares de pessoas ávidas por descontos acima de 50%. A tradição americana já foi incorporada ao calendário de países europeus e, no ano passado, movimentou o comércio eletrônico no Brasil. Com o sucesso de 2010, a expectativa é de que somente hoje a megaliquidação brasileira gire em torno de R$ 15 milhões em vendas pela internet, segundo estimativa do site Busca Descontos.
Além do mercado online, o Black Friday também chega ao comércio de rua. As lojas do supermercado Extra abriram as portas às 4h e vão funcionar até meia-noite. “Estamos trazendo um benefício de compra para antecipação do Natal”, afirma o diretor de marketing do Grupo Pão de Açúcar, Marcelo Bazzali. Os descontos chegam a 70%. e também estarão disponíveis no site do Extra.
Postar um comentário