segunda-feira, 26 de novembro de 2012

ALMEIDA PRADO, JOSÉ ANTÔNIO REZENDE DE (1943 – 2010)



O compositor José Antônio Rezende de Almeida Prado, nasceu em Santos, São Paulo, a 8 de fevereiro de 1943 e faleceu em São Paulo, Capital, no dia 21 de Novembro de 2010. Iniciou seus estudos musicais com Lourdes Joppert, Maria José Oliveira (Teoria) e Maestro Italiano Tabarin. Estudou piano em São Paulo, desde 1954, com Dinoráh de Carvalho, composição com Camargo Guarnieri, harmonia e contraponto com Osvaldo Lacerda. Graças ao Primeiro Lugar conquistado com a obra “Pequenos funerais cantantes” no Concurso Internacional da Guanabara realizado em 1969, recebeu a bolsa de estudos para estudar em Paris, de 1969 a 1973, onde estudou composição, harmonia, contraponto, análise e rítmica com os Mestres Olivier Messiaen, Nadia Boulanger e Annette Dieudoneé.

De volta ao Brasil, foi Diretor do Conservatório Municipal de Cubatão e, de 1975 a 2000, professor de Composição, Orquestração, Percepção e Análise no Departamento de Música da Unicamp, atualmente jubilado. Em 1986, defendeu tese de doutoramento intitulada “Cartas Celestes, Uma Uranografia Sonora geradora de novos Processos composicionais” no Instituto de Artes da Unicamp, uma das mais importantes obras pianísticas do século XX, gravada pelo selo Eldorado, tendo ao piano Fernando Lopes, obra tocada por pianistas de todo o mundo.

Almeida Prado possui um vasto catálogo: mais de 570 obras, uma grande parte foi editada na Alemanha pela Editora Tonos Musik Verlag, Darmstadt, e também pela Academia Brasileira de Música. O CDMC de Campinas também possui um vasto acervo do compositor.

Seu estilo é múltiplo, do nacionalismo de Villa-Lobos e de Guarnieri, passando por fase pós-serial atonal, o transtonalismo de suas 18 Cartas Celestes, o misticismo da Missa de Saint-Nicholas, as Cantatas de Adonay Roy, Yerushalain Neve Shalon, os 15 Flashes de Jerusalém (da fase prolífera em que residiu em Jerusalém, lecionando em Mishkenot Shahanaim), o afro-brasileirismo da Sinfonia dos Orixás, do Livro de Ogum para dois pianos, do Livro Mágico de Xangô para Violino e Violoncello, o Pós-Modernismo dos Poesilúdios e Prelúdios para Piano, e o tonalismo livre de seus numerosos Noturnos para Piano.

Alguns destaques de sua vasta produção dos últimos dez anos; em julho de 1996, conquistou o Primeiro Lugar no X Concurso Francesc Civil de Girona, Espanha, com a Obra Cantata “Cantares do Sem nome e de Partidas”, in memoriam a Mirella Pinotti, sobre poemas de Hilda Hilst.

Em 1997 - Obra Fantasia para Violino e Orquestra - Encomenda da Rio-Arte para comemorações da vinda do Papa João Paulo II, estreada com sua filha, a violinista Constança Almeida Prado, o Maestro Roberto Tibiriçá e OSB, Sala Cecília Meireles, RJ. Esta obra - Fantasia para Violino e Orquestra - por ocasião de seu aniversário de 60 anos, foi interpretada oito vezes no Brasil, e em 1998, duas vezes na Alemanha, Koln e Hilchenbach, onde o compositor participou a Convite do Maestro Edino Krieger e Ricardo Rocha.

Em junho de 1997, compôs a obra Salmo 148 para Piano e Jazz Band, estreada no Festival Internacional de Música de Belém do Pará com a pianista Luiza Camargo, Maestro Andy Pereira e a Amazonas Jazz Band. Em 2000, recebeu encomenda do Ministério da Cultura para as Comemorações dos 500 anos da Descoberta do Brasil e compôs a Obra Cartas Celestes n.8 para Violino e Orquestra, que foi gravada com OSTN, Maestro Silvio Barbato e Constança A.Prado, em Brasília. Foi estreada no mesmo ano com Maestrina Ligia Amadio, OSB e Constança A.Prado, na Sala Cecília Meireles. Compôs a Sonata para Violoncelo e Piano para a encomeda de Antonio Meneses e Sonia Rubinsky.

As artistas Salomea Gandelman e Sarah Cohen lançaram o Livro-CD "Cartilha Rítmica de Almeida Prado para piano", com grande sucesso. O Maestro John Neschling estreou a obra Salmo 23 com a OSESP e Rodrigo Esteves, sendo esta obra mais tarde editada pela Editora Criadores do Brasil. O Maestro Flavio Florence estreou em 2008, sua obra para Piano e Orquestra, com a OSB e o Pianista Sergio Monteiro, a encomenda pelos 200 anos da Chegada da Família Real no Brasil, obra dedicada ao Maestro Carlos Moreno.

Em 2009, a Fundação OSESP, através do Maestro John Neschling, encomendou a obra sinfônica “Etudes sur Paris” que foi estreada sob regência de Cláudio Cruz no mesmo ano. Esta obra foi premiada em 2010 pela APCA, em São Paulo, como Melhor Obra Sinfônica.

A discografia de sua obra compreende, como citado acima, o LP de Fernando Lopes pelo selo Eldorado-Cartas Celestes n.1, recentemente pelo Pianista Eduardo Monteiro, CD duplo “O som de Almeida Prado”, pela Unirio, coordenação de Salomea Gandelman, o CD Victoria Kerbauy canta Almeida Prado, produzido por Marcelo Spinola, o CD duplo Fraterna Presença, com obras para Piano solo, violino e Piano, canto e piano, com obras dedicadas a família Pinotti, o CD do pianista Benjamin da Cunha Neto, "O piano contemporâneo" CD-Louvação ao Papa João Paulo II-as obras de homenagem ao Papa-sua obra Fantasia para Violino e Orquestra, com os intérpretes supra citados, o CD Sinfonia Brasil 500 anos com Maestro Silvio Barbato e OSTNCS; o CD "Miniaturas" com a pianista Maria Thereza Russo; o CD para crianças, de Paulo Gazzaneo e Sérgio Igor Chnee, entre muitos outros.

Em 2006, através do Projeto de Francisco Coelho, foi realizada a gravação e edição de obras para Violino e Piano, na Publicação e Coleção de cinco compositores mais o Catálogo detalhado realizado por José Augusto Mannis e Cristiano Melli, através da Petrobrás no Projeto “Música Contemporânea em registro na Discoteca Oneyda Alvarenga”. Recentemente compôs os “Cadernos de Marina e Gabriel”, editados pela ABM, e “Duos para Dois Violinos”, ambos dedicados a seus netos, também a obra para piano “Cenas Stravinskianas” dedicadas a Maria Thereza Russo, também a obra Preambulum dedicada ao violoncelista Antonio Meneses, para cello solo.

Almeida Prado trabalhou por vários anos, na Rádio Rádio Cultura 103.3 em seu Programa dedicado à Música Contemporânea intitulado Caleidoscópio. A convite do amigo João Marcos Coelho, foi Curador juntamente com sua filha, da Série CPFL de Música de Câmara, em Campinas. Em 2010 recebeu a encomenda da Funarte e compôs Panapaná III, para ensemble de câmara, que vem a ser a sua última obra.

O pianista Antônio Eduardo Santos juntamente com uma excelente editora belga, está editando a Fantasia Litorânea para piano, entre outras obras. Recebeu as belíssimas Homenagens: em Cuiabá, em outubro de 2010, ainda em vida, e as comoventes Homenagens Póstumas, na OSSA, ao sétimo dia de sua morte, com a Sinfonia dos Orixás regida pelo genro Carlos Moreno, na Academia Brasileira de Música, onde foi aclamado e reverenciado como um de nossos maiores compositores, culminando com o GRANDE PRÊMIO in memorian APCA em 2011, entregues por João Luís Sampaio, Camila Frésca e toda equipe do APCA e Sesc Pinheiros.

A 8 de fevereiro de 2011, no Rio de Janeiro, a pianista Ingrid Barancoski dedicou um Recital exclusivo de obras dele no dia em que seria o seu aniversário de 68 anos. A Unicamp, onde deixou muitos amigos e alunos, através da compositora Denise Garcia, juntamente com a Orquestra Unicamp, prestou sua comovente homenagem criando a Sala Almeida Prado. Receberá Homenagem do Concurso de piano BNDS, através da pianista Lilian Barreto. A Academia Brasileira de Letras através de seus amigos Luis Paulo Horta e Nenem Krieger, realizaram belíssima Homenagem em Recital com Almeida Prado Ensemble. Com um maravilhoso acervo de Almeida Prado, a Academia Brasileira de Música, através do trabalho incansável da amiga Valéria Peixoto, dos amigos e Diretores, Turíbio Santos, Ricardo Tacuchian, e com o apoio de todos os Acadêmicos, lançou a coleção digital de uma grande parte de suas obras, em 2011.

Através de seus Diretores, Niza de Castro Tank e Heraldo Marin, Almeida Prado foi homenageado no último Prêmio Carlos Gomes. No encerramento do Festival de Inverno de Campos do Jordão, neste ano de 2011 na Sala São Paulo, o Maestro Cláudio Cruz prestou sua linda homenagem interpretando Etudes sur Paris com a Orquestra do Festival, recebendo também belíssima Placa-Homenagem das mãos de Paulo Zuben, e toda a equipe Santa Marcelina, Secretário de Cultura e também, do amigo querido Sérgio Mamberti. Receberá a Homenagem da Funarte e da Bienal de Música Contemporânea, através de Flávio Silva e do Maestro Ricardo Rocha, neste ano de 2011, com a estréia mundial da Obra Panapaná III, e a realização da Missa de São Nicolau, no Rio de Janeiro.

Em 17 de abril de 2011, Carlos Moreno e Constança Almeida Prado criam e estréiam no Sesc Santo André, o Almeida Prado Ensemble, grupo de formação flexível e variada dedicado a preservar a Memória e a Música genial deste grande e eterno Artista. Almeida Prado pertenceu à Academia Brasileira de Música, Academia Campineira de Música e à Fundation Nadia et Lili Boulanger (Paris).

Postar um comentário