sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Professor vai ser aprovado apenas se souber dar aula



Rio -  Professores terão que provar, a partir do primeiro semestre de 2013, que sabem dar aula para conquistar uma vaga na Secretaria Estadual de Educação. A nova etapa será eliminatória e os candidatos vão participar de curso de formação antes de ministrar a aula.
A prova prática não fará parte da seleção já autorizada pelo governo e que será publicada em breve pela Secretaria Estadual de Planejamento e Gestão. O secretário estadual de Educação, Wilson Risolia, defendeu que o processo é necessário para que o professor consiga comprovar que ele tem didática, ou seja, que sabe transmitir o conteúdo de forma clara para alunos da rede.
O docente vai dar aula para uma comissão avaliadora que fará análise do seu desempenho. Ainda não está decidido se o professor terá que dar aula para grupo de alunos ou somente para a banca.
“A prática pedagógica é o que certifica. O conteúdo tem que estar junto com a prática. Não adianta dominar o conteúdo e não dominar a didática. Quem não souber dar aula será eliminado”, defendeu Wilson Risolia.
A responsabilidade da elaboração da nova etapa chamada ‘prova de aula’ será da entidade que vai organizar o concurso público e também formar o grupo de avaliação. A ação será em parceria com a Superintendência de Gestão de Pessoas.
O coordenador do Sepe (Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação), Alex Trentino, criticou a novidade e defendeu que etapa deveria ser classificatória e não, eliminatória. “Se um professor for desclassificado por não saber dar aula é como se o estado defendesse o fechamento de uma universidade que não soube capacitar o seu aluno e expediu o diploma”, disse. Ele explicou que os docentes cumprem 300 horas de estágio em duas disciplinas, Prática de Ensino 1 e 2.
Nova avaliação no estado
Diretores de escolas estaduais serão avaliados a partir do próximo ano, assim como diretores regionais e coordenadores de gestão de pessoas da regional. Ao todo, 1.398 profissionais vão receber diagnóstico pessoal sobre o seu desempenho na unidade.
O secretário estadual de Educação, Wilson Risolia, explicou que o diretor que receber uma avaliação ruim será exonerado do cargo. Já o servidor que tiver um bom desempenho terá anotação positiva na ficha funcional.
O profissional será avaliado pelos diretores regionais e pelo coordenador em nove competências: capacidade de análise, liderança, empreendedorismo, visão sistêmica, flexibilidade, criatividade, comunicação, trabalho em equipe e motivação.
A Secretaria de Educação será responsável pela avaliação dos diretores regionais e coordenadores. Todos os avaliadores deverão registrar o desempenho pela internet, por meio de modelo unificado elaborado pela pasta.

Postar um comentário